O Combate à Ponta do Iceberg da Criminalidade

O vulto assumido pelo crime organizado permite classificá-lo como ameaça à lei, à ordem e à própria soberania nacional, pois o Estado perdeu a autoridade em áreas, ainda que restritas, de algumas metrópoles no País. No Rio de Janeiro, existem complexos de favelas controlados por facções criminosas, que impõem a sua "lei", constituindo um estado paralelo ao Estado nacional no exercício da violência.

O emprego das Forças Armadas (FA) na segurança pública, num quadro de garantia da lei e da ordem, tem sido contumaz. No entanto, é apenas paliativo com efeito superficial e de curta duração, haja vista o retorno aos níveis de violência e o controle da bandidagem tão logo as tropas são retiradas das áreas conturbadas. As FA não são preparadas nem estruturadas para a segurança pública, em que os conflitos devem obedecer a leis e regras rígidas, que limitam a liberdade de ação para o emprego da violência com a mesma letalidade exigida em conflitos armados na defesa da Pátria contra um inimigo externo.

As fronteiras nacionais são um dos pontos críticos na gestão da segurança pública, pois a extensão, a permeabilidade e a porosidade dificultam, drasticamente, seu controle efetivo e o bloqueio de ilícitos transnacionais. Tal dificuldade foi agravada pelos acordos de livre comércio e pela globalização, que facilitaram a passagem e ampliaram a circulação de cargas pelas vias terrestres, marítimas e aéreas. Se os EUA não conseguem evitar o maciço tráfico de drogas e a realização de outros ilícitos nos 3 mil km de sua fronteira terrestre com o México, contando com seus imensos recursos para esse controle, o que dizer do Brasil. São 17 mil km de fronteiras terrestres, sendo 11 mil km em selva, com centenas de entradas possíveis, e 6 mil km em área humanizada, com enorme fluxo de comércio.

As fronteiras marítimas têm 7,5 mil km com dezenas de portos que movimentam milhares de contêineres por dia, cuja fiscalização é extremamente difícil. O mesmo pode-se dizer da volumosa entrada de cargas por inúmeros aeroportos oficiais. Cumpre destacar que, na fronteira aeroespacial, aeronaves do tráfico de drogas e armas entram no espaço aéreo, voam por dez minutos, aterrissam em algum campo de pouso clandestino ou lançam sua carga e regressam, não dando tempo ao controle aéreo para reagir. Portanto, é um engano acreditar ser possível um controle tão efetivo das fronteiras a ponto de considerá-lo a ação principal contra a criminalidade.

No Brasil, esse combate tem visado mais às consequências do que às causas da ascensão do poder da criminalidade, que se aproveita de gravíssimas vulnerabilidades nos campos político, social, jurídico, policial e penal. Algumas importantes vulnerabilidades estão listadas no quadro a seguir.

As organizações criminosas (OC) de nível nacional (OCN) são o Primeiro Comando da Capital (PCC), presente em todos os Estados da Federação, e o Comando Vermelho (CV), com ampla disseminação no território nacional. Essas facções disputam entre si o poder em vários Estados e neles convivem ou atritam com outras organizações criminosas de expressão local ou regional (OCR). As ações das OCN e OCR, quando necessário, envolvem crimes violentos, de âmbito nacional ou transnacional, como os relacionados com tráfico de drogas, contrabando de armas, tráfico de pessoas, sequestros e outros; lavagem de dinheiro, que inclui a gestão de negócios com fachada de legalidade; infiltração em diversos segmentos da sociedade, inclusive na justiça, na política e nos órgãos de segurança pública (OSP); corrupção; cooptação; chantagem; intimidação; controle violento de comunidades e de várias atividades lucrativas como as de transporte.

Existem OC do tipo "máfia", voltadas para os crimes financeiros e sem violência, envolvendo lideranças de altos escalões, partidos políticos e empresários. O mensalão e o petrolão são exemplos do funcionamento dessas OC, cuja repressão deve seguir o modelo da Operação Lava Jato.

O combate específico às OCN e OCR violentas, ponta de um profundo iceberg, é apenas parte da solução do problema, que exige, simultaneamente, ações estratégicas de longo prazo sobre as vulnerabilidades listadas no quadro anterior. Tais vulnerabilidades, como se pode deduzir, estão em diversos setores da Nação, além do que é relativo, especificamente, à segurança pública. Esse combate requer centralização, coordenação e integração, desde os mais altos escalões, em um Projeto Estratégico de longo prazo, com visão da situação desejada no futuro e os objetivos e as metas sucessivas.

A seguir, são sugeridas algumas medidas de combate às OCN e OCR, que não esgotam o rol das necessárias:
- endurecer a lei sobre Organização Criminosa, tornando a justiça ágil e mais rigorosa;
- emprego de forças-tarefa de composição mista (Jurídico, Inteligência e Operações) por Estados ou Regiões, com foco nas OCN e OCR, e não na bandidagem isolada; utilização da prisão preventiva aos enquadrados na lei e fim do foro especial;
- líderes e membros de maior periculosidade recolhidos em presídios especiais de segurança máxima, separados entre si e executando trabalhos rigorosos;
- controle rigoroso das visitas, inclusive de advogados, e das ligações entre esses presos e o exterior das cadeias, impedindo efetivamente o uso de meios eletrônicos;
- os alvos seriam as lideranças, as estruturas de gestão das OC e o seu braço armado; e
- as ações de inteligência buscariam identificar e localizar as lideranças e os apoios logístico, financeiro e político, enquanto as operações decorrentes seriam realizadas por forças-tarefa dos OSP e dos grupos especiais das Forças Armadas, quando necessário, ou pelo emprego de tropa em operações de grande envergadura.

A situação é gravíssima e sua deterioração poderá resultar num quadro semelhante ao de guerra civil, em que a perda da autoridade e da soberania interna pelo Estado traria, como consequência, grande risco para a unidade nacional. A Nação tem que ser conscientizada de que o combate à criminalidade será de longo prazo e implicará o emprego da violência com efeitos colaterais e, eventualmente, com restrições à liberdade individual.

Em curto prazo, poderá ser uma questão de vida ou de morte para o Brasil!

Por uma agenda de Defesa Nacional: desafios e opor...
Parabéns, Brasil!
 

Comentários 24

Visitantes - Martins em Sábado, 21 Outubro 2017 15:46

Por razões obvias resolvi voltar a este “Post”.
Militar tem voz sim e ultimamente tem de falar com mais frequência e mais alto. Os surdos de conveniência que se danem. Se tem uma coisa que me intriga é a questão dos brasileiros que não tem nenhum apreço aos nossos militares, guardiões da Pátria nos momentos mais trágicos e difíceis da vida. Seria pelo fato de usarem fardas, tornando-os com uma imagem aparentemente amedrontadora? Parece que não! Diversos civis que nunca foram militares e chegaram ao poder através do uso de forças de todas as naturezas e letais inclusive, quando instalados no poder se apresentavam em trajes militares. Josef Stalin, Mao Tsé-Tung, Pol Pot, Saddam Hussein, Fidel castro, Nicolas Maduro para citar apenas estes. Estes cometeram os maiores crimes contra a humanidade e hoje são venerados pelos mesmos que zombam das nossas FFAA. O se passava pela a cabeça do ex-revolucionário e agora no ostracismo político, Franklin Martins? Quando disse: “as Forças Armadas precisam sair do acostamento, onde estão desde 1985”. Caso a ser pensado: se o PT voltar ao poder em 2018, como será o currículo em nossas academias militares uma vez que eles já se pronunciaram algo a este respeito. Vale lembrar nosso grande libertador foi Dom Pedro l e não Simon Bolivar como querem os apátridas de plantão que usam o nome deste personagem erroneamente em favor de seus planos obscuros. Não somos bolivarianos. “Viver sem conhecer a história do passado é andar nas trevas.”
O que pressentir da 'CONSTITUIÇÃO’ que prega a solução dentro da legalidade, mas se permite ser rasgada ao bel prazer por supostos patriotas no poder? Revista “Veja”. Avança o acordão da vergonha; governo, congresso e justiça, cada um a seu modo, manobram para estancar a sangria da Lava-jato e VOLTAR AO PASSADO DA INPUNIDADE. -Dito popular: “quem cala, consente”. Pelo que consta na história de nossa Pátria, foi justamente pelo contrário desse dito popular que Dom Pedro l, ao arrepio das leis do reino de Portugal, libertou o Brasil do julgo português. “Independência ou morte” foi o brado retumbante do soldado de um povo heroico brasileiro. Foi ele quem outorgou a primeira Constituição em 1824. Posteriormente tivemos a proclamação da República pelo Marechal do exército Deodoro da Fonseca. "Digam ao povo brasileiro que a República está feita" - "Impossível governar com este Congresso. É mister que ele desapareça para a felicidade do Brasil". - Hoje somos súditos de Brasília, um País tomado por uma casta de privilegiados que vive à custa do esforço alheio. Tiradentes e os inconfidentes mineiros se rebelaram por causa do “quinto”; hoje pagamos o dobro em impostos! Que a morte de Tiradentes não tenha sido em vão.
-O Brasil antes do regime militar.
Em 1962 o nível de investimentos e de crescimento industrial apontava para a recessão no ano seguinte. Era um momento conturbado tanto do ponto de vista político, quanto econômico. A inflação chegava a taxas recordes, em torno de 51%, no setor externo, sucessivos déficits no balanço de pagamentos e a dívida externa acumulava-se. A energia elétrica estava racionada em São Paulo, efeito das chuvas fracas na estação das águas: nenhum reservatório contava com mais de 20% de sua capacidade. O ano de 1964 começou com 54% das crianças em idade escolar fora do sistema educacional e com um déficit orçamentário previsto pelo próprio governo em Cr$ 1 trilhão, o equivalente a toda receita prevista. A inflação de 80% ao ano sem qualquer mecanismo de correção monetária levava a todos que tinham opção a fugirem do cruzeiro, moeda da época. No Rio de Janeiro, 5 mil imóveis estavam fechados, enquanto anúncios de aluguel eram publicados em dólar nos jornais. No mercado paralelo, a cotação do dólar saltou de Cr$ 360 em dezembro de 1961 para Cr$ 850 um ano mais tarde e Cr$ 1.270 nos idos daquele março da intervenção civil-militar em 1964. Sem mais delongas, e apenas com lero-lero de Edu Lobo: “Diz um ditado natural da minha terra
bom cabrito é o que mais berra onde canta o sabiá”. Isto posto para mim que não sou militar, nem idiota útil de politiqueiros e muito menos algum privilegiado de nossa pátria mãe subtraída em tenebrosas transações enquanto dorme. Vai o meu apelo aos militares: produzam mais textos no intuito de promover polêmicas construtivas na arena político-democrática, mas nada de apego com a nossa constituição enquanto nas mãos de pseudos formadores de juízos de valores. Constituição nas mãos de quem gosta de fazer uso em favor de conveniências próprias é o mesmo que a Bíblia nas mãos de ateus.

Por razões obvias resolvi voltar a este “Post”. Militar tem voz sim e ultimamente tem de falar com mais frequência e mais alto. Os surdos de conveniência que se danem. Se tem uma coisa que me intriga é a questão dos brasileiros que não tem nenhum apreço aos nossos militares, guardiões da Pátria nos momentos mais trágicos e difíceis da vida. Seria pelo fato de usarem fardas, tornando-os com uma imagem aparentemente amedrontadora? Parece que não! Diversos civis que nunca foram militares e chegaram ao poder através do uso de forças de todas as naturezas e letais inclusive, quando instalados no poder se apresentavam em trajes militares. Josef Stalin, Mao Tsé-Tung, Pol Pot, Saddam Hussein, Fidel castro, Nicolas Maduro para citar apenas estes. Estes cometeram os maiores crimes contra a humanidade e hoje são venerados pelos mesmos que zombam das nossas FFAA. O se passava pela a cabeça do ex-revolucionário e agora no ostracismo político, Franklin Martins? Quando disse: “as Forças Armadas precisam sair do acostamento, onde estão desde 1985”. Caso a ser pensado: se o PT voltar ao poder em 2018, como será o currículo em nossas academias militares uma vez que eles já se pronunciaram algo a este respeito. Vale lembrar nosso grande libertador foi Dom Pedro l e não Simon Bolivar como querem os apátridas de plantão que usam o nome deste personagem erroneamente em favor de seus planos obscuros. Não somos bolivarianos. “Viver sem conhecer a história do passado é andar nas trevas.” O que pressentir da 'CONSTITUIÇÃO’ que prega a solução dentro da legalidade, mas se permite ser rasgada ao bel prazer por supostos patriotas no poder? Revista “Veja”. Avança o acordão da vergonha; governo, congresso e justiça, cada um a seu modo, manobram para estancar a sangria da Lava-jato e VOLTAR AO PASSADO DA INPUNIDADE. -Dito popular: “quem cala, consente”. Pelo que consta na história de nossa Pátria, foi justamente pelo contrário desse dito popular que Dom Pedro l, ao arrepio das leis do reino de Portugal, libertou o Brasil do julgo português. “Independência ou morte” foi o brado retumbante do soldado de um povo heroico brasileiro. Foi ele quem outorgou a primeira Constituição em 1824. Posteriormente tivemos a proclamação da República pelo Marechal do exército Deodoro da Fonseca. "Digam ao povo brasileiro que a República está feita" - "Impossível governar com este Congresso. É mister que ele desapareça para a felicidade do Brasil". - Hoje somos súditos de Brasília, um País tomado por uma casta de privilegiados que vive à custa do esforço alheio. Tiradentes e os inconfidentes mineiros se rebelaram por causa do “quinto”; hoje pagamos o dobro em impostos! Que a morte de Tiradentes não tenha sido em vão. -O Brasil antes do regime militar. Em 1962 o nível de investimentos e de crescimento industrial apontava para a recessão no ano seguinte. Era um momento conturbado tanto do ponto de vista político, quanto econômico. A inflação chegava a taxas recordes, em torno de 51%, no setor externo, sucessivos déficits no balanço de pagamentos e a dívida externa acumulava-se. A energia elétrica estava racionada em São Paulo, efeito das chuvas fracas na estação das águas: nenhum reservatório contava com mais de 20% de sua capacidade. O ano de 1964 começou com 54% das crianças em idade escolar fora do sistema educacional e com um déficit orçamentário previsto pelo próprio governo em Cr$ 1 trilhão, o equivalente a toda receita prevista. A inflação de 80% ao ano sem qualquer mecanismo de correção monetária levava a todos que tinham opção a fugirem do cruzeiro, moeda da época. No Rio de Janeiro, 5 mil imóveis estavam fechados, enquanto anúncios de aluguel eram publicados em dólar nos jornais. No mercado paralelo, a cotação do dólar saltou de Cr$ 360 em dezembro de 1961 para Cr$ 850 um ano mais tarde e Cr$ 1.270 nos idos daquele março da intervenção civil-militar em 1964. Sem mais delongas, e apenas com lero-lero de Edu Lobo: “Diz um ditado natural da minha terra bom cabrito é o que mais berra onde canta o sabiá”. Isto posto para mim que não sou militar, nem idiota útil de politiqueiros e muito menos algum privilegiado de nossa pátria mãe subtraída em tenebrosas transações enquanto dorme. Vai o meu apelo aos militares: produzam mais textos no intuito de promover polêmicas construtivas na arena político-democrática, mas nada de apego com a nossa constituição enquanto nas mãos de pseudos formadores de juízos de valores. Constituição nas mãos de quem gosta de fazer uso em favor de conveniências próprias é o mesmo que a Bíblia nas mãos de ateus.
Visitantes - PEDRO MOREIRA em Domingo, 15 Outubro 2017 21:07

O que intuir do 'patriota' que prega como solução da ilegalidade a subversão da mais alta ordem constitucional?
Como acreditar na legitimidade ou eficácia de uma proposição tão absurda e, honestamente, risível, se desde sua concepção já é tão flagrantemente inconstitucional?
Pode uma árvore morta dar origem a frutos férteis?
Confesso que talvez seja um tanto contundente nas indagações, e ainda talvez, tais indagações não sejam respondidas à contento pelo autor dessa peça teratológica- alguém que manifestamente não tem honestidade intelectual em compreender o mais incipiente significante do postulado da CONSTITUCIONALIDADE -, contudo, como a inatividade militar infelizmente autoriza manifestações políticas imbecilizadas como esta, fica por muitíssimo oportuno, a mais relevante das indagações até aqui postas: como é possível ter o militar tamanho apreço pela lei e ordem e ao mesmo tempo tanto desprezo pela hermenêutica gramatical da mais significante lei da República?
Veja, é que pela constituição vigente no território nacional, que certamente não é aquela dita E.C.1/69, e sim a de Constituição da República de 1988 - a cidadã que assegura a sua liberdade individual de manifestação "intelectual" (sic), é estabelecido logo ali pelo caput do art.Art. 142, que a atuação hierarquicamente SUBORDINADA das forças militares na garantia da lei e da ordem não pode prescindir de ordem do Presidente da República ou iniciativa de qualquer dos Poderes Constitucional e CIVILMENTE estabelecidos.
E salvo melhor cognição, toda essa tese (baboseira) de combate a criminalidade através do fim do livre comércio, fechamento de fronteiras, de resgate de "valores", "familia", "civismo" (sic, sIC, SIC), tudo encampado pelas mesmas forças armadas que no final de 1984 deixaram o país com uma inflação descontrolada, uma economia estagnada e uma dívida externa bruta de aproximados 102,2 BILHÕES de US$'s, esbarra no fato de que tais forças armadas além de claramente não terem habilidade para planejar políticas públicas de estado (como há muito demonstrado pelo desastre social e econômico herdado pela minha geração), não são também poderes de estado, e portanto: não atuam sem que recebam ORDEM para constitucionalmente fazê-lo.
Aí se apresenta o maior dos contrassensos dessa vontade sedenta de poder que o autor do texto demonstra desde aquela outra peça veiculada no Estadão do dia 05/10/2017 - quando por infeliz coincidência, comemorou-se o aniversário de 29 anos da Constituição da República: ou o militar reconhece seu status de subordinação à ordem e ao mandamento civil, constitucionalmente estabelecidos, ou, viola a maior lei da República, desintegrando a Nação política, social e economicamente a fim de garantir a Lei e a ordem.
Afora a possibilidade do oximoro, volte ao seu trabalho caserno e deixe as políticas públicas tomarem rumo dentro do ambiente mais diversificado e profícuo para tanto (não no positivismo binário do quartel) mas sim na arena político-democrática.

O que intuir do 'patriota' que prega como solução da ilegalidade a subversão da mais alta ordem constitucional? Como acreditar na legitimidade ou eficácia de uma proposição tão absurda e, honestamente, risível, se desde sua concepção já é tão flagrantemente inconstitucional? Pode uma árvore morta dar origem a frutos férteis? Confesso que talvez seja um tanto contundente nas indagações, e ainda talvez, tais indagações não sejam respondidas à contento pelo autor dessa peça teratológica- alguém que manifestamente não tem honestidade intelectual em compreender o mais incipiente significante do postulado da CONSTITUCIONALIDADE -, contudo, como a inatividade militar infelizmente autoriza manifestações políticas imbecilizadas como esta, fica por muitíssimo oportuno, a mais relevante das indagações até aqui postas: como é possível ter o militar tamanho apreço pela lei e ordem e ao mesmo tempo tanto desprezo pela hermenêutica gramatical da mais significante lei da República? Veja, é que pela constituição vigente no território nacional, que certamente não é aquela dita E.C.1/69, e sim a de Constituição da República de 1988 - a cidadã que assegura a sua liberdade individual de manifestação "intelectual" (sic), é estabelecido logo ali pelo caput do art.Art. 142, que a atuação hierarquicamente SUBORDINADA das forças militares na garantia da lei e da ordem não pode prescindir de ordem do Presidente da República ou iniciativa de qualquer dos Poderes Constitucional e CIVILMENTE estabelecidos. E salvo melhor cognição, toda essa tese (baboseira) de combate a criminalidade através do fim do livre comércio, fechamento de fronteiras, de resgate de "valores", "familia", "civismo" (sic, sIC, SIC), tudo encampado pelas mesmas forças armadas que no final de 1984 deixaram o país com uma inflação descontrolada, uma economia estagnada e uma dívida externa bruta de aproximados 102,2 BILHÕES de US$'s, esbarra no fato de que tais forças armadas além de claramente não terem habilidade para planejar políticas públicas de estado (como há muito demonstrado pelo desastre social e econômico herdado pela minha geração), não são também poderes de estado, e portanto: não atuam sem que recebam ORDEM para constitucionalmente fazê-lo. Aí se apresenta o maior dos contrassensos dessa vontade sedenta de poder que o autor do texto demonstra desde aquela outra peça veiculada no Estadão do dia 05/10/2017 - quando por infeliz coincidência, comemorou-se o aniversário de 29 anos da Constituição da República: ou o militar reconhece seu status de subordinação à ordem e ao mandamento civil, constitucionalmente estabelecidos, ou, viola a maior lei da República, desintegrando a Nação política, social e economicamente a fim de garantir a Lei e a ordem. Afora a possibilidade do oximoro, volte ao seu trabalho caserno e deixe as políticas públicas tomarem rumo dentro do ambiente mais diversificado e profícuo para tanto (não no positivismo binário do quartel) mas sim na arena político-democrática.
Visitantes - Elsio em Quinta, 05 Outubro 2017 21:01

Pelo andar dos acontecimentos recentes, na minha modesta opinião a intervenção sairá ainda em 2017, e para o BEM e SALVAÇÃO do Brasil.

Pelo andar dos acontecimentos recentes, na minha modesta opinião a intervenção sairá ainda em 2017, e para o BEM e SALVAÇÃO do Brasil.
Visitantes - José Neto em Quinta, 05 Outubro 2017 11:33

Qual apis pode dar certo, quando temos bicheiros legalizados, trafico de entorpecentes feitos por políticos graduados (Perrela Aecio Aloisio Nunes, os banqueiros e especuladores tomando conta das finanças do Brasil, onde temos um presidente chefe de quadrilha do crime organizado, onde temos ex presidente réu em varias ações e condenado á nove anos de prisão, temos um congresso composto de 70% com ficha corrida, um ministro bandido togado gilmar hC mendes soltando seus parceiros e amigos bandidos do colarinho branco,como podemos acreditar que quase todos os minsistros da república indiciados em inquéritos na justiça, um STF jurássico que desde da sua criação condenou apenas 12 pessôas e apenas 96 estão cumprindo penas, onde nossas industrias sucateadas e agora para fechar com chave de ouro: Políticos Corruptos legislando em causa propria. eo cidadão ainda tem que pagar as contas.Intervenção Militar Urgênte.

Qual apis pode dar certo, quando temos bicheiros legalizados, trafico de entorpecentes feitos por políticos graduados (Perrela Aecio Aloisio Nunes, os banqueiros e especuladores tomando conta das finanças do Brasil, onde temos um presidente chefe de quadrilha do crime organizado, onde temos ex presidente réu em varias ações e condenado á nove anos de prisão, temos um congresso composto de 70% com ficha corrida, um ministro bandido togado gilmar hC mendes soltando seus parceiros e amigos bandidos do colarinho branco,como podemos acreditar que quase todos os minsistros da república indiciados em inquéritos na justiça, um STF jurássico que desde da sua criação condenou apenas 12 pessôas e apenas 96 estão cumprindo penas, onde nossas industrias sucateadas e agora para fechar com chave de ouro: Políticos Corruptos legislando em causa propria. eo cidadão ainda tem que pagar as contas.Intervenção Militar Urgênte.
Visitantes - RONALDO CAMPOS CARNEIRO em Quinta, 28 Setembro 2017 16:10

Crise brasileira – diagnóstico e recomendações

" a primeira lição de economia é a escassez: nunca há o suficiente de algo para satisfazer todos aqueles que o querem. A primeira lição de política é ignorar a primeira lição de economia. " Thomas Sowell

"Verdadeira compaixão tem de significar mais do que arremessar uma moeda a um mendigo. Verdadeira compaixão só vem quando nós entendemos que um sistema que produz pedintes necessita de reestruturação." Martin Luther King
"A história começou quando os seres humanos inventaram deuses e terminarão quando os seres humanos se tornam deuses". Yuval Harari
“Os lugares mais quentes do inferno são destinados àqueles que escolhem a neutralidade em tempos de crise” – Dante Alighieri (1265-1321)

Crise e confronto de ideias, este o Brasil de hoje, milhões de brasileiros nas ruas de ambas as ideologias dominantes: coxinhas e petralhas. Vamos tentar radiografar isto, olhando além de interesses pessoais e políticos. Certamente o foco é a visão de mundo, a economia e posturas politicas.
Coxinhas acreditam e priorizam a austeridade, colocar as contas do governo sob controle, não gastar mais que arrecadam e deixar os problemas sociais por conta de programas que serão ativados conforme disponibilidade de recursos. Algo como: este é o salario mínimo possível, se os petralhas conseguirem comer é problema deles, não da pra pagar mais. Estes neoliberais ou neocon acreditam na possibilidade de gerenciar as leis econômicas!!! Priorizam, sobretudo, o pagamento aos banqueiros que são nossos credores e financiadores de nosso desenvolvimento, geradores de empregos. Em outras palavras, coxinhas acreditam que o econômico, baseado na credibilidade do Pais, vai avançar sobre o social e todos viverão felizes. Resultado da filosofia dos coxinhas é uma elite de privilegiados, capitaneada pelos banqueiros, e uma multidão de excluídos. Sabe quando os petralhas conseguirão comer – nunca.
Petralhas priorizam o social, descobriram na própria pele, que para gerar trabalho produtivo é preciso estar alimentado, com saúde e educação – o que é uma verdade biológica, ate o automóvel precisa de combustível a priori para rodar. Entretanto, isto fornecido pelo governo, vale dizer pelos impostos capturados de trabalhadores e empresários, vai gerar um tremendo déficit e inviabilizar o governo que perde credibilidade internacional e reduz os investimentos. Acreditam, sobretudo, que pessoas bem alimentadas, com saúde e educação, vale dizer com o social resolvido o econômico se expande e todos viverão felizes. Sabe quando esta equação vai fechar – nunca.
Nesta bagunça de concepções distintas, os políticos, legitimados por keynesianos ortodoxos, interferem na economia de forma desastrada – se entrometem até sobre compra de plataformas de petróleo de empresas estatais – absurdo dos absurdos – isto não pode dar certo!!! Esperteza de toda sorte, eles descobriram que eleição é um bem econômico com preço no mercado – bombeiam recursos dos prestadores de serviços, dependentes do governo, para suas campanhas eleitorais, deixando um pedaço nos próprios bolsos!!! Aqui coxinhas e petralhas agem de forma semelhante. Não tem Madre Teresa nesta casa de tolerância!!!
O que podemos aprender disto tudo. Como podemos conciliar visões tão distintas?
Coxinhas estão corretos em manter um orçamento equilibrado. Petralhas, corretíssimos, descobriram o óbvio: todos precisam se alimentar e ter acesso aos sistemas de saúde e educação.
Temos que transformar estes 3 setores: nutrição, saúde e educação de despesa orçamentaria em investimento empresarial – através de um novo Pacto Social onde empresários assumem estas responsabilidade sociais e governo reduz a tributação correspondente. A partir dai livre mercado, laisser faire, laissez passer!! Meritocracia, redução de governo, responsabilidade individual, reversão da migração campo-cidade, agricultura, saúde e educação altamente rentáveis, enfim resgatam-se os valores tradicionais que fizeram prospero e rico o mundo ocidental.
Desta forma economia fica, definitivamente, separada de politica – são como óleo e agua – não se misturam.

Uma palavra de gratidão ao juiz Sergio Moro, ele parece meu irmão mais novo, criado pelos valores tradicionais de meus pais Romeu e Maura. Ele resgata a dignidade de todo o povo brasileiro, podemos andar de cabeça erguida, corrupção é caso de policia, não importa se coxinha ou petralha. Ficaria muito feliz de ver escoltado para a PF um figurão dos diversos partidos políticos – são os 20% que faltam para aprovação total do juiz Moro. Alias a justiça brasileira ainda deve respostas a sociedade: político condenado por corrupção na França, anda livremente no Brasil, dirigentes esportivos condenados no exterior por corrupção, ocupam posição de destaque em instituições esportivas locais. Já que a nossa decadente e humilhada justiça tradicional não consegue resolver - Sergio Moro neles! Este bravo juiz, junto com equipe de procuradores e da PF pode substituir toda uma estrutura de TCU, CGU e demais auditores – nesta roubalheira de décadas, estes inúteis e decadentes órgãos só serviram para dar emprego a burocratas amigos do rei. Isto tudo me envergonha.
Cordialmente


Ronaldo Campos Carneiro – 27/3/16
EGD 2008-9 – Distrito 4530 – Brasília - DF
rcarneiro4@gmail.com
http://ronaldocarneiro.wordpress.com
http://rcarneiro4.blogspot.com.br

Crise brasileira – diagnóstico e recomendações " a primeira lição de economia é a escassez: nunca há o suficiente de algo para satisfazer todos aqueles que o querem. A primeira lição de política é ignorar a primeira lição de economia. " Thomas Sowell "Verdadeira compaixão tem de significar mais do que arremessar uma moeda a um mendigo. Verdadeira compaixão só vem quando nós entendemos que um sistema que produz pedintes necessita de reestruturação." Martin Luther King "A história começou quando os seres humanos inventaram deuses e terminarão quando os seres humanos se tornam deuses". Yuval Harari “Os lugares mais quentes do inferno são destinados àqueles que escolhem a neutralidade em tempos de crise” – Dante Alighieri (1265-1321) Crise e confronto de ideias, este o Brasil de hoje, milhões de brasileiros nas ruas de ambas as ideologias dominantes: coxinhas e petralhas. Vamos tentar radiografar isto, olhando além de interesses pessoais e políticos. Certamente o foco é a visão de mundo, a economia e posturas politicas. Coxinhas acreditam e priorizam a austeridade, colocar as contas do governo sob controle, não gastar mais que arrecadam e deixar os problemas sociais por conta de programas que serão ativados conforme disponibilidade de recursos. Algo como: este é o salario mínimo possível, se os petralhas conseguirem comer é problema deles, não da pra pagar mais. Estes neoliberais ou neocon acreditam na possibilidade de gerenciar as leis econômicas!!! Priorizam, sobretudo, o pagamento aos banqueiros que são nossos credores e financiadores de nosso desenvolvimento, geradores de empregos. Em outras palavras, coxinhas acreditam que o econômico, baseado na credibilidade do Pais, vai avançar sobre o social e todos viverão felizes. Resultado da filosofia dos coxinhas é uma elite de privilegiados, capitaneada pelos banqueiros, e uma multidão de excluídos. Sabe quando os petralhas conseguirão comer – nunca. Petralhas priorizam o social, descobriram na própria pele, que para gerar trabalho produtivo é preciso estar alimentado, com saúde e educação – o que é uma verdade biológica, ate o automóvel precisa de combustível a priori para rodar. Entretanto, isto fornecido pelo governo, vale dizer pelos impostos capturados de trabalhadores e empresários, vai gerar um tremendo déficit e inviabilizar o governo que perde credibilidade internacional e reduz os investimentos. Acreditam, sobretudo, que pessoas bem alimentadas, com saúde e educação, vale dizer com o social resolvido o econômico se expande e todos viverão felizes. Sabe quando esta equação vai fechar – nunca. Nesta bagunça de concepções distintas, os políticos, legitimados por keynesianos ortodoxos, interferem na economia de forma desastrada – se entrometem até sobre compra de plataformas de petróleo de empresas estatais – absurdo dos absurdos – isto não pode dar certo!!! Esperteza de toda sorte, eles descobriram que eleição é um bem econômico com preço no mercado – bombeiam recursos dos prestadores de serviços, dependentes do governo, para suas campanhas eleitorais, deixando um pedaço nos próprios bolsos!!! Aqui coxinhas e petralhas agem de forma semelhante. Não tem Madre Teresa nesta casa de tolerância!!! O que podemos aprender disto tudo. Como podemos conciliar visões tão distintas? Coxinhas estão corretos em manter um orçamento equilibrado. Petralhas, corretíssimos, descobriram o óbvio: todos precisam se alimentar e ter acesso aos sistemas de saúde e educação. Temos que transformar estes 3 setores: nutrição, saúde e educação de despesa orçamentaria em investimento empresarial – através de um novo Pacto Social onde empresários assumem estas responsabilidade sociais e governo reduz a tributação correspondente. A partir dai livre mercado, laisser faire, laissez passer!! Meritocracia, redução de governo, responsabilidade individual, reversão da migração campo-cidade, agricultura, saúde e educação altamente rentáveis, enfim resgatam-se os valores tradicionais que fizeram prospero e rico o mundo ocidental. Desta forma economia fica, definitivamente, separada de politica – são como óleo e agua – não se misturam. Uma palavra de gratidão ao juiz Sergio Moro, ele parece meu irmão mais novo, criado pelos valores tradicionais de meus pais Romeu e Maura. Ele resgata a dignidade de todo o povo brasileiro, podemos andar de cabeça erguida, corrupção é caso de policia, não importa se coxinha ou petralha. Ficaria muito feliz de ver escoltado para a PF um figurão dos diversos partidos políticos – são os 20% que faltam para aprovação total do juiz Moro. Alias a justiça brasileira ainda deve respostas a sociedade: político condenado por corrupção na França, anda livremente no Brasil, dirigentes esportivos condenados no exterior por corrupção, ocupam posição de destaque em instituições esportivas locais. Já que a nossa decadente e humilhada justiça tradicional não consegue resolver - Sergio Moro neles! Este bravo juiz, junto com equipe de procuradores e da PF pode substituir toda uma estrutura de TCU, CGU e demais auditores – nesta roubalheira de décadas, estes inúteis e decadentes órgãos só serviram para dar emprego a burocratas amigos do rei. Isto tudo me envergonha. Cordialmente Ronaldo Campos Carneiro – 27/3/16 EGD 2008-9 – Distrito 4530 – Brasília - DF rcarneiro4@gmail.com http://ronaldocarneiro.wordpress.com http://rcarneiro4.blogspot.com.br
Visitantes - Marcos Lima de Souza em Segunda, 25 Setembro 2017 20:03

acredito nas forças armadas, estou com vocês.

acredito nas forças armadas, estou com vocês.
Visitantes - wagner joão elmyr em Sábado, 23 Setembro 2017 12:58

Bom trabalho General, a maioria da população esta cega em um mar de ignorância, não estão cientes da grave situação que ameaça a nossa nação, vocês militares são a nossa esperança, pois o sistema de governo está totalmente corrompido, um homem sozinho é incapaz de reverter essa situação, que Deus abençoe e ilumine vocês e no que um mero cidadão como eu puder colaborar estou a disposição.

Bom trabalho General, a maioria da população esta cega em um mar de ignorância, não estão cientes da grave situação que ameaça a nossa nação, vocês militares são a nossa esperança, pois o sistema de governo está totalmente corrompido, um homem sozinho é incapaz de reverter essa situação, que Deus abençoe e ilumine vocês e no que um mero cidadão como eu puder colaborar estou a disposição.
Visitantes - Martins em Sexta, 22 Setembro 2017 23:23

A verdade que assombra os assombrados até hoje.
-
https://www.youtube.com/watch?v=p5LqhhLGZQ4

A verdade que assombra os assombrados até hoje. - https://www.youtube.com/watch?v=p5LqhhLGZQ4
Visitantes - Martins em Sexta, 22 Setembro 2017 22:57

Uma salva de PALMAS para essas celebridades: Gleisi Hoffmann, Lindbergh Farias, Randolfe Rodrigues e Miriam Leitão. Uma salva de VAIAS para o General Hamilton Mourão. O quarteto citado jamais poderia deixar de receber tão nobre honraria em reconhecimento aos grandes feitos à Pátria. Aproveito para dizer que diante da exoneração do alto comando militar das FFAA, os nomes do quarteto acima são os mais prováveis para assumirem altos postos das forças armadas. Eles com toda a sabedoria que lhes são peculiares resolverão todos os problemas de segurança pública que assola o Rio de Janeiro. Isso tudo será feito com muita humanidade, diálogo e sem uso de armas de guerra. Posteriormente todos os problemas do Brasil serão também solucionados por eles, nessa mesma logística. Até que enfim este país será motivo de orgulho para todos.

Uma salva de PALMAS para essas celebridades: Gleisi Hoffmann, Lindbergh Farias, Randolfe Rodrigues e Miriam Leitão. Uma salva de VAIAS para o General Hamilton Mourão. O quarteto citado jamais poderia deixar de receber tão nobre honraria em reconhecimento aos grandes feitos à Pátria. Aproveito para dizer que diante da exoneração do alto comando militar das FFAA, os nomes do quarteto acima são os mais prováveis para assumirem altos postos das forças armadas. Eles com toda a sabedoria que lhes são peculiares resolverão todos os problemas de segurança pública que assola o Rio de Janeiro. Isso tudo será feito com muita humanidade, diálogo e sem uso de armas de guerra. Posteriormente todos os problemas do Brasil serão também solucionados por eles, nessa mesma logística. Até que enfim este país será motivo de orgulho para todos.
Visitantes - Paulo M Rodrigues em Quarta, 04 Outubro 2017 00:13

Essa é a idéia de um apátrida, onde exalta bandidos lesa-pátria em menosprezo aos nossos bravos comandantes e soldados do exército brasileiro. Vai pra Cuba ou Venezuela idiota.

Essa é a idéia de um apátrida, onde exalta bandidos lesa-pátria em menosprezo aos nossos bravos comandantes e soldados do exército brasileiro. Vai pra Cuba ou Venezuela idiota.
Visitantes - Waldir Carolino Tostes em Sexta, 22 Setembro 2017 16:39

Parabéns pelo comentário e total apoio também ao General Mourão, já passou da hora, basta! O Brasil merece uma administração honesta, do jeito que está é insuportável, "Porém se a Pátria Amada for um dia Ultrajada lutaremos com Amor",

Parabéns pelo comentário e total apoio também ao General Mourão, já passou da hora, basta! O Brasil merece uma administração honesta, do jeito que está é insuportável, "Porém se a Pátria Amada for um dia Ultrajada lutaremos com Amor",
Visitantes - Michel P. de Almeida em Quarta, 20 Setembro 2017 20:02

Parabéns, General. É um assunto de meu grande interesse.

Compartilhei

Parabéns, General. É um assunto de meu grande interesse. Compartilhei
Visitantes - Fabricio Aquino em Quarta, 20 Setembro 2017 18:24

Boa tarde. Parabéns pelo artigo, pois consegue apontar para grante parte das causas. Só não podemos esquecer de investigar e punir os criminosos intelectuais, encastelados nas federais Brasil afora. Eles são os maiores culpados.Eles devem responder por crime lesa-pátria. Eles fornecem as narrativas que, posteriormente, são internalizadas pelos criminosos, sejam os "violentos", sejam os de "colarinho branco". São os intelectuais que promovem a desconstrução dos valores ocidentais, são eles que incentivam a desobediência religiosa, familiar e civi. São eles que dividem os brasileiros , colocando-os uns contra os outros, acirrandos os animos, aumentando a tensão natural própria do ser humano. Brasil acima de tudo, abaixo somente de Deus.

Boa tarde. Parabéns pelo artigo, pois consegue apontar para grante parte das causas. Só não podemos esquecer de investigar e punir os criminosos intelectuais, encastelados nas federais Brasil afora. Eles são os maiores culpados.Eles devem responder por crime lesa-pátria. Eles fornecem as narrativas que, posteriormente, são internalizadas pelos criminosos, sejam os "violentos", sejam os de "colarinho branco". São os intelectuais que promovem a desconstrução dos valores ocidentais, são eles que incentivam a desobediência religiosa, familiar e civi. São eles que dividem os brasileiros , colocando-os uns contra os outros, acirrandos os animos, aumentando a tensão natural própria do ser humano. Brasil acima de tudo, abaixo somente de Deus.
Visitantes - Martins em Terça, 19 Setembro 2017 01:45

Estamos na ditadura do errado que é o certo?!
O jornal “Estadão” publicou matéria no último domingo dando conta de que houve críticas à atitude do general Antonio Hamilton Martins Mourão por ele ter dito sobre a possibilidade de intervenção militar. Penso até na hipótese da distorção da notícia com a finalidade de causar furor. “O general Mourão disse que: o nosso comandante definiu um tripé para a atuação do Exército: legalidade, legitimidade e que o Exército não seja um fator de instabilidade”. O que ele falou em que pese a lei militar, nem grave é, aliás, é até alentadora para esse povo tão sofrido, humilhado e à mercê de bandidos. Aos de colarinhos brancos, se a verdade incomoda, o problema é deles. A constituição brasileira é soberana e garante o livre manifesto do pensamento e vedado o anonimato. Será que existe alguma lei disciplinar no meio político? Ouço até pornografias sendo faladas nos meios dos altos escalões como se fossem palavras sacras. Certa vez a presidente afastada disse que o Brasil não tem complexo de vira-lata, aproveitando o palanque do PCdoB, em discurso de campanha. Nesse sentido, há até que se dizer que o Exército atual não tem esse complexo e muito menos o de “Madalena arrependida” em relação ao sucedido de 1964. O exército está sem verba federal. Se por acaso e inesperadamente o Brasil entrar em conflito de guerra com algum país fronteiriço e sabendo o inimigo dessa fragilidade nossa, como seria? Diga-se de passagem, que até os países de democracia pacíficas, humanitárias e comunistas não se preocupam com a questão militar, a citar a Coreia do Norte. Ironia? Sim! O povo brasileiro mesmo em seu silêncio humilde acredita em nossas FFAA. De maneira alguma se deve deixar o ânimo da tropa se abater diante desse clima de incertezas que assola o país. É preciso que se dê voz àqueles que pensam num Brasil melhor indiferente de ser civil ou militar, o apoio incondicional é importante, pois estamos em rota de colisão com um meteoro de grandes proporções, só que não é o meteoro que vem ao nosso encontro e sim esse estado de coisas de comprometidos com a verdade que estão nos conduzindo em direção a ele.

Estamos na ditadura do errado que é o certo?! O jornal “Estadão” publicou matéria no último domingo dando conta de que houve críticas à atitude do general Antonio Hamilton Martins Mourão por ele ter dito sobre a possibilidade de intervenção militar. Penso até na hipótese da distorção da notícia com a finalidade de causar furor. “O general Mourão disse que: o nosso comandante definiu um tripé para a atuação do Exército: legalidade, legitimidade e que o Exército não seja um fator de instabilidade”. O que ele falou em que pese a lei militar, nem grave é, aliás, é até alentadora para esse povo tão sofrido, humilhado e à mercê de bandidos. Aos de colarinhos brancos, se a verdade incomoda, o problema é deles. A constituição brasileira é soberana e garante o livre manifesto do pensamento e vedado o anonimato. Será que existe alguma lei disciplinar no meio político? Ouço até pornografias sendo faladas nos meios dos altos escalões como se fossem palavras sacras. Certa vez a presidente afastada disse que o Brasil não tem complexo de vira-lata, aproveitando o palanque do PCdoB, em discurso de campanha. Nesse sentido, há até que se dizer que o Exército atual não tem esse complexo e muito menos o de “Madalena arrependida” em relação ao sucedido de 1964. O exército está sem verba federal. Se por acaso e inesperadamente o Brasil entrar em conflito de guerra com algum país fronteiriço e sabendo o inimigo dessa fragilidade nossa, como seria? Diga-se de passagem, que até os países de democracia pacíficas, humanitárias e comunistas não se preocupam com a questão militar, a citar a Coreia do Norte. Ironia? Sim! O povo brasileiro mesmo em seu silêncio humilde acredita em nossas FFAA. De maneira alguma se deve deixar o ânimo da tropa se abater diante desse clima de incertezas que assola o país. É preciso que se dê voz àqueles que pensam num Brasil melhor indiferente de ser civil ou militar, o apoio incondicional é importante, pois estamos em rota de colisão com um meteoro de grandes proporções, só que não é o meteoro que vem ao nosso encontro e sim esse estado de coisas de comprometidos com a verdade que estão nos conduzindo em direção a ele.
Visitantes - Jorge em Segunda, 18 Setembro 2017 11:30

O combate à esta podridão deve começar pelos presídios de segurança máxima, que não deveriam nem existir. Quem pega mais de 30 anos de cadeia, deve ter sua pena convertida em PENA DE MORTE SUMÁRIA, IMEDIATAMENTE! Esses presídios e todos os seus gastos, devem ser revertidos à EDUCAÇÃO,AOS MOLDES DOS COLÉGIOS MILITARES, todos os políticos envolvidos com a operação LAVA JATO, devem ser sumariamente EXPULSOS DA VIDA PÚBLICA PELO RESTO DA VIDA, E SUA FAMÍLIAS TAMBÉM, assim como TODOS OS POLÍTICOS FICHA SUJA. Todo o TRAFICANTE DEVE TER PENA DE MORTE DECLARADA e as Fronteiras do país monitorada METRO A METRO, todos os auxílios que os presos recebem de bandeja devem ser CANCELADOS IMEDIATAMENTE E ELES DEVEM TRABALHAR PARA PAGAR TODA A SUA DESPESA. TODOS OS PARTIDOS POLÍTICOS DEVEM SER EXTINTOS E TODO O AUXÍLIO A ELES REVERTIDOS À EDUCAÇÃO, SAÚDE E SEGURANÇA, TODO O USUÁRIO DE DROGA DE SER CONSIDERADO RESPONSÁVEL CRIMINALMENTE PELO FINANCIAMENTO DO TRÁFICO DE DROGAS E DEVE RESPONDER A JUSTIÇA SOBRE SEU CRIME. Querem mais? É só me perguntar como fazer, que eu digo!!!

O combate à esta podridão deve começar pelos presídios de segurança máxima, que não deveriam nem existir. Quem pega mais de 30 anos de cadeia, deve ter sua pena convertida em PENA DE MORTE SUMÁRIA, IMEDIATAMENTE! Esses presídios e todos os seus gastos, devem ser revertidos à EDUCAÇÃO,AOS MOLDES DOS COLÉGIOS MILITARES, todos os políticos envolvidos com a operação LAVA JATO, devem ser sumariamente EXPULSOS DA VIDA PÚBLICA PELO RESTO DA VIDA, E SUA FAMÍLIAS TAMBÉM, assim como TODOS OS POLÍTICOS FICHA SUJA. Todo o TRAFICANTE DEVE TER PENA DE MORTE DECLARADA e as Fronteiras do país monitorada METRO A METRO, todos os auxílios que os presos recebem de bandeja devem ser CANCELADOS IMEDIATAMENTE E ELES DEVEM TRABALHAR PARA PAGAR TODA A SUA DESPESA. TODOS OS PARTIDOS POLÍTICOS DEVEM SER EXTINTOS E TODO O AUXÍLIO A ELES REVERTIDOS À EDUCAÇÃO, SAÚDE E SEGURANÇA, TODO O USUÁRIO DE DROGA DE SER CONSIDERADO RESPONSÁVEL CRIMINALMENTE PELO FINANCIAMENTO DO TRÁFICO DE DROGAS E DEVE RESPONDER A JUSTIÇA SOBRE SEU CRIME. Querem mais? É só me perguntar como fazer, que eu digo!!!
Visitantes - Nadya Rey em Domingo, 17 Setembro 2017 23:09

Era uma vez uma cidade maravilhosa...
Hoje falei numa postagem sobre o carregamento e o descarregamento de energia de kharmas, e ai me defronto com a cidade do Rio de Janeiro, ex capital federal, berço de tantas coisas deste pais, chegar ao aniquilamento da forma que estamos chegando e NINGUÉM, NINGUÉM mesmo esta movendo uma palha para nos socorrer. O presidente tem bilhões para pagar para deputados para salvar sua pele, outros tantos milhões para votarem o que ele quer. Usa o cartão de crédito corporativo da presidência pagando suntuosos jantares a propineiros corruptos que lesam nosso povo no que ha de mais importante que é segurança, saúde e educação... Este sr. alega não ter verba para pagar a operação do exercito para salvar o povo do rio de janeiro. HIPOCRISIA, esta é a realidade em nosso estado. A realidade é que as nossas CUSTAS vivem o legislativo, o executivo, o judiciário, e as armas em todas as suas modalidades. Tais senhores estão esquecendo o principal: eles são funcionários do POVO! por este motivo eles são sustentados por este povo que hoje eles não olham, não socorrem, não se importam. Só se importam com roubos, propinas e no luxuária de suas vidas megalomaníacas. Sinceramente hoje eu realmente vivo para ver todos estes monstros, porque é o q são, monstros que assassinam todos os dias dezena de milhares de brasileiros. Eu quero que governadores, prefeitos, deputados estaduais e federais e senadores do rio de janeiro paguem pelo imenso dano cruel que causaram e causam a nossa população, que todos os políticos responsáveis por esta imensa roubalheira nesta nação rica em tudo, que poderia estar vivendo hoje seu melhor momento, paguem por tudo q estão nos impondo e nos obrigando a viver. Triste se sentir impotente, sem nenhum direito em um pais que NÓS SUSTENTAMOS!
Era isso!

Era uma vez uma cidade maravilhosa... Hoje falei numa postagem sobre o carregamento e o descarregamento de energia de kharmas, e ai me defronto com a cidade do Rio de Janeiro, ex capital federal, berço de tantas coisas deste pais, chegar ao aniquilamento da forma que estamos chegando e NINGUÉM, NINGUÉM mesmo esta movendo uma palha para nos socorrer. O presidente tem bilhões para pagar para deputados para salvar sua pele, outros tantos milhões para votarem o que ele quer. Usa o cartão de crédito corporativo da presidência pagando suntuosos jantares a propineiros corruptos que lesam nosso povo no que ha de mais importante que é segurança, saúde e educação... Este sr. alega não ter verba para pagar a operação do exercito para salvar o povo do rio de janeiro. HIPOCRISIA, esta é a realidade em nosso estado. A realidade é que as nossas CUSTAS vivem o legislativo, o executivo, o judiciário, e as armas em todas as suas modalidades. Tais senhores estão esquecendo o principal: eles são funcionários do POVO! por este motivo eles são sustentados por este povo que hoje eles não olham, não socorrem, não se importam. Só se importam com roubos, propinas e no luxuária de suas vidas megalomaníacas. Sinceramente hoje eu realmente vivo para ver todos estes monstros, porque é o q são, monstros que assassinam todos os dias dezena de milhares de brasileiros. Eu quero que governadores, prefeitos, deputados estaduais e federais e senadores do rio de janeiro paguem pelo imenso dano cruel que causaram e causam a nossa população, que todos os políticos responsáveis por esta imensa roubalheira nesta nação rica em tudo, que poderia estar vivendo hoje seu melhor momento, paguem por tudo q estão nos impondo e nos obrigando a viver. Triste se sentir impotente, sem nenhum direito em um pais que NÓS SUSTENTAMOS! Era isso!
Visitantes - Nadya Rey em Domingo, 17 Setembro 2017 23:07

o Rio de Janeiro já esta vivendo uma guerrilha civil e fico me pergunto até onde teremos que penar até que alguém ACORDE e faça alguma coisa pelo país. É uma vergonha as notícias no mundo, os vídeos de jornais e revistas digitais e o pior, eles estão certos, nada e feito!

o Rio de Janeiro já esta vivendo uma guerrilha civil e fico me pergunto até onde teremos que penar até que alguém ACORDE e faça alguma coisa pelo país. É uma vergonha as notícias no mundo, os vídeos de jornais e revistas digitais e o pior, eles estão certos, nada e feito!
Visitantes - Leinad em Domingo, 17 Setembro 2017 19:45

Caro mais antigo, o cancer ja está em metastase,tal o grau de reincidentes em faltas dessa naturesa, a solução tem de ser drastica com curetagem do" tecido contaminado " cujo destino ao invés de incineração seria realizado atraves de um" check up " médico para aproveitarmento de órgãos em transplante , ensino universitário e a carcaça destinar para feras e tubarões (Lavosier) ,muito melhor que construir presídios para o povo sustentar e retroalimentar o sistema dos corruPTos. Quem? Quando? Como ? Por Onde ?Com que meio$$$$$ ? e uma série de perguntas deduzidas das diversas Linhas de Ações(plural). Com essa constitição cidadã (minuscula) cheia de direitos pra vagabundos e respectivas famílias ???que procriam mais que coelhos!!! ECA ( os "dimenor) já estão na 3ª geração filhos tem de obedecer aos pais e mestres, tem de acabar esses os bolsas vadiagem( é biblico e da naturesa quem não trabalha ,não come), cotas é para os vádios e incapazes , etc.. teríamos de voltar aos anos DOURADOS 50/60 ,ia-se em cana por vadiagem,da mesma forma quem vendia e quem fumava o tóxico ( mal comparando é como comprar produto de crime aliado a lei da oferta e procura), muita coisa mais poderia falar mais ai teria de ser um livro.

Caro mais antigo, o cancer ja está em metastase,tal o grau de reincidentes em faltas dessa naturesa, a solução tem de ser drastica com curetagem do" tecido contaminado " cujo destino ao invés de incineração seria realizado atraves de um" check up " médico para aproveitarmento de órgãos em transplante , ensino universitário e a carcaça destinar para feras e tubarões (Lavosier) ,muito melhor que construir presídios para o povo sustentar e retroalimentar o sistema dos corruPTos. Quem? Quando? Como ? Por Onde ?Com que meio$$$$$ ? e uma série de perguntas deduzidas das diversas Linhas de Ações(plural). Com essa constitição cidadã (minuscula) cheia de direitos pra vagabundos e respectivas famílias ???que procriam mais que coelhos!!! ECA ( os "dimenor) já estão na 3ª geração filhos tem de obedecer aos pais e mestres, tem de acabar esses os bolsas vadiagem( é biblico e da naturesa quem não trabalha ,não come), cotas é para os vádios e incapazes , etc.. teríamos de voltar aos anos DOURADOS 50/60 ,ia-se em cana por vadiagem,da mesma forma quem vendia e quem fumava o tóxico ( mal comparando é como comprar produto de crime aliado a lei da oferta e procura), muita coisa mais poderia falar mais ai teria de ser um livro.
Visitantes - Albervan Cirne em Domingo, 17 Setembro 2017 16:28

Excelente artigo, Senhor General! Precisamos repensar o Brasil e as ações sobre o seu futuro.

Excelente artigo, Senhor General! Precisamos repensar o Brasil e as ações sobre o seu futuro.
Visitantes - leandro Louzada polonini em Sábado, 16 Setembro 2017 04:18

Se democraticamente não formos capazes de resolver o problema, necessitamos urgentemente de intervenção federal das FFAA, mas entendo que para legitimar uma ação como essa infelizmente a situação teria que piorar muito ainda para se ter apoio popular massivo.

Se democraticamente não formos capazes de resolver o problema, necessitamos urgentemente de intervenção federal das FFAA, mas entendo que para legitimar uma ação como essa infelizmente a situação teria que piorar muito ainda para se ter apoio popular massivo.
Visitantes
Domingo, 19 Novembro 2017

Imagem do Captcha