Militares: o peso da espada

Uma antiga parábola conhecida como “A espada de Dâmocles” pode ser usada para fazermos uma reflexão sobre a responsabilidade dos militares.

Antes de Cristo, na região que hoje é a Itália, havia um cortesão chamado Dâmocles, que atuava como conselheiro na corte de Dionísio – monarca de Siracusa. Dâmocles não poupava palavras para enaltecer as qualidades, o poder, a autoridade e a sorte de Dionísio.

Um dia, cansado de ouvir as bajulações do seu conselheiro, Dionísio propôs que Dâmocles ocupasse seu lugar por 24 horas, o que foi prontamente aceito. Ao ocupar o trono e assumir o que considerava benefícios do poder, Dâmocles percebeu que havia uma espada sobre sua cabeça sustentada por uma ponta de fio de rabo de cavalo. A outra ponta do fio estava amarrada ao seu corpo. Qualquer movimento inesperado ou de fuga do cortesão romperia o fio, provocando sua morte.

Nesse instante, Dâmocles compreendeu que o monarca vivia sob “o fio da espada” todos os dias. O poder não estava associado nem a confortos nem a regalias, mas a grandes responsabilidades. Dionísio convivia constantemente com a morte, pois sempre havia a possibilidade de ser sabotado, de cometer um erro ou de alguém motivar uma guerra. Quando o cortesão compreendeu os deveres, as obrigações e os riscos que seu rei enfrentava diariamente, passou a respeitá-lo.

As últimas pesquisas de opinião indicam que o Exército Brasileiro conta com mais de 80 % de confiança da população. As pessoas reconhecem sua contribuição para a manutenção da integridade territorial e sua importância para o desenvolvimento, a soberania nacional e a defesa da Pátria.

Embora seja uma das instituições de maior credibilidade perante a sociedade, ainda há considerável número de pessoas que desconhece as missões do Exército Brasileiro e suas características, especificidades e peculiaridades, típicas da profissão militar; dessa forma, julgam que os militares possuem facilidades, confortos e, até mesmo, regalias.

Assim sendo, sintamos um pouco o peso da espada!

Soldados participam de inúmeras atividades em que são obrigados a operar isoladamente para atenderem demandas dos compromissos internacionais, como as missões de paz e de segurança, no Saara Ocidental, no Sudão, no Chipre, na República Centro Africana, no Líbano, na Guiné-Bissau e na República Democrática do Congo. Além do trabalho isolado, a maioria dessas missões impossibilitam o acompanhamento dos familiares.

No caso do emprego de tropa, destaca-se a recente Missão das Nações Unidas para a Estabilização no Haiti. Durante 13 anos, tropas nacionais foram empregadas para restabelecer a segurança e a normalidade institucional daquele país. A presença brasileira na ilha foi vital em dois momentos: em 2010, no terremoto que causou a morte de mais de 200 mil pessoas, incluindo 18 militares do Exército Brasileiro e, em 4 de outubro de 2016, durante o furacão Matthew, que causou inundações e deixou milhares desabrigados. Nessas duas situações, a ajuda dos nossos peacekeepers contribuiu para amenizar o sofrimento dos irmãos haitianos.

No âmbito nacional, há dezenas de operações em andamento, diariamente, por toda a faixa de fronteira, a fim de contribuir para a manutenção da soberania do Estado brasileiro nas áreas lindeiras e de cooperar com as ações dos diversos órgãos de segurança pública no combate aos ilícitos transfronteiriços e ambientais.

Na Copa do Mundo e nos Jogos Olímpicos, o emprego das Forças Armadas foi fundamental para que esses dois grandes eventos tivessem êxito no aspecto segurança, repercutindo internacionalmente na imagem positiva do País. Além disso, cabe destacar a quantidade de medalhas olímpicas conquistadas por nossos atletas militares.

Não se deve esquecer a Operação Carro-Pipa que, há mais de uma década, distribui água no interior do Nordeste. O Exército, por intermédio de dezenas de organizações militares, garante que seja fornecida água tratada para mais de 2.000.000 de pessoas, em centenas de municípios.

Inúmeras operações de Garantia da Lei e da Ordem têm sido estabelecidas regularmente em todo o território, podendo ser destacada a de apoio à Intervenção Federal no Rio de Janeiro.

Nas ações humanitárias, o trabalho incessante de militares na Operação Acolhida, conduzida pela Força-Tarefa Logística Humanitária, tem contribuído para melhorar as condições de vida de imigrantes, em situação de vulnerabilidade, que chegam a Roraima.

Na área do desenvolvimento e da integração nacional, destaca-se o trabalho da engenharia militar no projeto de transposição do Rio São Francisco, na recuperação de estradas, na pavimentação de rodovias, na revitalização de infraestruturas, na construção de aeroportos, na perfuração de poços artesianos, dentre outros.

Não se pode deixar de mencionar as constantes ações cívico-sociais em apoio às campanhas de vacinação e atendimento médico-odontológico de populações carentes, assim como as ações de garantia à votação e apuração em eleições, de combate a vetores de doenças e de apoio à Defesa Civil em calamidades públicas – distribuição de água e alimentos e o resgate de pessoas em enchentes e desabamentos.

Muitas das atividades descritas são vistas apenas regionalmente, nas áreas geográficas onde ocorrem, sendo desconhecidas em âmbito nacional. Grande parte desses trabalhos é anônimo e incansável, pois os empregos operacionais das tropas, em muitas situações, acontecem em lugares inóspitos, longe dos grandes centros.

No entanto, há algo em comum em quase todas essas ações: o sacrifício e a dedicação exclusiva de pessoas que entregam suas vidas por um ideal e que dão o seu melhor pelo País. Operando longe de casa, trabalham sem se preocupar com as horas, os feriados e se é dia ou noite.

Como têm vivência nacional, mudam-se frequentemente a cada dois ou três anos, morando nas mais variadas regiões do nosso imenso Brasil. Essa imposição da Carreira das Armas limita a fixação da família, cônjuge e filhos, que sofre limitações quanto à manutenção de laços profissionais e, principalmente, aos estudos.

Apesar de não ter regalias, conforto e os mesmos direitos trabalhistas do restante da população, o militar é altamente cobrado, pois qualquer falha pode ser prejudicial à defesa, segurança e tranquilidade nacional.

Agora que conhece um pouco mais sobre o campo de atuação, as especificidades e as peculiaridades da profissão militar, você se submeteria ao peso dessa “espada”?

 

Coautor: Cel Helder Lima de Queiroz

Academia Militar das Agulhas Negras: patrimônio na...
Eu sou o Exército

Posts Relacionados

 

Comentários 11

Visitantes - MATHEUS MATOSSIAN em Quarta, 22 Mai 2019 12:50

Ah...o valor do EB? Perguntem aos italianos de Montese... vejam como as crianças italianas agradecem anualmente a FEB... está no u tube... é de arrepiar...

Ah...o valor do EB? Perguntem aos italianos de Montese... vejam como as crianças italianas agradecem anualmente a FEB... está no u tube... é de arrepiar...
Visitantes - Eduardo Bittencourt em Segunda, 29 Abril 2019 22:56

Excelente texto bem atual, que convida o leitor a confirmar e ou aprender sobre essa inigualável Instituição permanente de todos os brasileiros. Conhecer a missão das Forças Armadas é fundamental para cada um alcançar sua responsabilidade na Segurança Nacional e no desenvolvimento do País!

Excelente texto bem atual, que convida o leitor a confirmar e ou aprender sobre essa inigualável Instituição permanente de todos os brasileiros. Conhecer a missão das Forças Armadas é fundamental para cada um alcançar sua responsabilidade na Segurança Nacional e no desenvolvimento do País!
Visitantes - Carlos André Wamser Barra em Sexta, 26 Abril 2019 17:10

Somente com um texto explicativo desta natureza é que a sociedade brasileira compreenderá o real papel das Forças Armadas no Brasil. Vejo que a maior parte dos que criticam a atuação das Forças Armadas desconhece as especificidades da profissão. Estamos sempre presentes!

Somente com um texto explicativo desta natureza é que a sociedade brasileira compreenderá o real papel das Forças Armadas no Brasil. Vejo que a maior parte dos que criticam a atuação das Forças Armadas desconhece as especificidades da profissão. Estamos sempre presentes!
Visitantes - Rogério em Sexta, 26 Abril 2019 11:29

Texto bem esclarecedor e de leitura leve, nos faz refletir que quando o homem ocupa um cargo, o poder não pode estar associado as benesses nem a regalias, mas a grandes responsabilidades do exercício do ofício.

Texto bem esclarecedor e de leitura leve, nos faz refletir que quando o homem ocupa um cargo, o poder não pode estar associado as benesses nem a regalias, mas a grandes responsabilidades do exercício do ofício.
Visitantes - Walter Badessa em Sexta, 26 Abril 2019 04:02

Há uma soberba nos incautos,um certo sabor de conforto aos que escolheram por vaidade certas vocações.No limiar das tecnologias em seus avanços,tornam vulneráveis certos prismas dos que engajaram-se por vaidade en certas profissões.Dentro destas esferas destes avanços tecnológicos as guerras mudaram de cor e temperatura.As tecnologias são uma realidade das quais exigem acompanhamento acirrado.Há sim os inimigos internos e externos sendo estes primeiros os mais presentes.O peso da espada certamente foi o texto mais exato neste entendimento.

Há uma soberba nos incautos,um certo sabor de conforto aos que escolheram por vaidade certas vocações.No limiar das tecnologias em seus avanços,tornam vulneráveis certos prismas dos que engajaram-se por vaidade en certas profissões.Dentro destas esferas destes avanços tecnológicos as guerras mudaram de cor e temperatura.As tecnologias são uma realidade das quais exigem acompanhamento acirrado.Há sim os inimigos internos e externos sendo estes primeiros os mais presentes.O peso da espada certamente foi o texto mais exato neste entendimento.
Visitantes
Quinta, 23 Mai 2019