Guerra no Cáucaso

Azerbaijão e Armênia estão em guerra. O conflito de alta intensidade explodiu há seis dias mas, na verdade, trata-se da continuidade de uma disputa que tem suas origens na independência dos países da antiga União Soviética, no final dos anos 1980.

Para entender as causas da guerra, suas repercussões regionais e possíveis desdobramentos, é fundamental entender o contexto político, histórico e geográfico das duas partes em conflito.

O Cáucaso é a área geográfica que divide a Europa oriental da Ásia. Trata-se de uma faixa de terra espremida entre o Mar Negro, a Oeste e o Mar Cáspio, a Leste. Seu nome é emprestado da grande cordilheira que atravessa toda a região, de leste para oeste, separando a Rússia, ao Norte, da Georgia e do Azerbaijão, ao Sul.

 

Cáucaso. Fonte - http://www.asia-turismo.com/mapas/caucaso-mapa.htm

 Na região, existem três países independentes: Geórgia, Armênia e Azerbaijão. Os dois primeiros são considerados, normalmente, europeus, enquanto o último geralmente é vinculado ao continente asiático. Além dos três países, as partes vizinhas mais próximas de Rússia, Turquia e Irã também podem ser consideradas como parte do Cáucaso.

Armênia, Azerbaijão e Geórgia eram repúblicas da antiga União Soviética (URSS). A independência desses países ocorreu no final da década de 1980, durante o processo de esfacelamento soviético. Após a independência, o impasse sobre a região de Nagorno-Karabakh explodiu. O enclave tem sua população majoritariamente armênia mas localiza-se em território reconhecido internacionalmente como sendo azerbaijano. Esta é uma situação herdada do tempo em que toda aquela área era URSS, quando o governo central entregou o enclave ao Azerbaijão.

O descontentamento da maior parte dos moradores da região, que não se consideram azerbaijanos, levou ao conflito, travado entre 1988 e 1994 e que foi interrompido com um saldo de 30 mil mortes, por meio de um acordo de cessar-fogo que não resolveu politicamente a questão. Desde então diversas escaramuças fronteiriças vêm ocorrendo, com o Azerbaijão tentando retomar o controle sobre o autodeclarado (mas que não reconhecido por nenhum país, nem mesmo a Armênia) Estado de Nagorno-Karabakh.

 

Conflito em Nagorno Karabakh. Fonte – BBC

Dessa forma, há cerca de uma semana, o conflito ressurgiu, desta vez com alta intensidade. As imagens divulgadas por todas as mídias mostram colunas de blindados, artilharia, aviação, sistemas de aeronaves remotamente pilotadas (SARP), enfim, o pleno emprego dos meios militares à disposição das partes em conflito. Como em qualquer guerra, como já disse Clausewitz, “as notícias que nos chegam da guerra são quase sempre contraditórias, na maior parte, também falsas. As mais numerosas são em grande quantidade sofrivelmente suspeitas.” Assim, no calor do momento e entre as campanhas de desinformação e de operações psicológicas de ambos os lados, o mundo vai tomando conhecimento das operações militares no terreno. Entretanto, pelo que se pode vislumbrar através da bruma da guerra, e em uma avaliação bastante preliminar, o emprego dos SARP e o apoio decisivo dos turcos aos azerbaijanos talvez desequilibre o poder de combate em favor dos últimos.

As potências regionais e globais vão se alinhando às partes em conflito, sempre na defesa de seus próprios interesses. A Turquia e a Rússia são os principais atores externos envolvidos e, mais uma vez, assim como na Líbia e na Síria, estão em lados opostos. Os turcos apoiam abertamente os azerbaijanos, com quem possuem grande identificação histórica, linguística e cultural. Mas também há fortes interesses econômicos. O Azerbaijão é parceiro da Turquia na operação do gasoduto Transanatoliano, uma alternativa de fornecimento energético que reduz a dependência turca em relação ao gás russo.

 

Gasoduto TANAP. Fonte - https://www.researchgate.net/figure/The-TANAP-TAP-and-Nabucco-pipelines_fig1_322927029

 Já os russos, que integram juntamente com Bielorrússia, Cazaquistão, Quirguistão e Tadjiquistão uma aliança militar com a Armênia, a Organização do Tratado de Segurança Coletiva (OTSC), e já têm problemas na Líbia, Síria, Ucrânia e Bielorrússia, não parecem muito dispostos a se engajar decisivamente em um conflito no Cáucaso.

Assim, vê-se que a resposta calculada da Rússia frustra a Armênia, cuja solicitação formal de apoio militar à OTSC não foi atendida até o momento, em contraste com o decisivo apoio turco aos Azerbaijanos.

Os EUA, completamente concentrados em suas questões internas e nas eleições presidenciais, não passaram de exortações protocolares pela paz. A Europa, com o presidente Macron à frente, assim como as Nações Unidas, também fizeram declarações em favor da paz que não alcançaram qualquer resultado prático.

Assim, parece que a solução do conflito dependerá de as partes envolvidas chegarem a um acordo, ou da ação da Turquia e Rússia. Mais exatamente de até onde os russos tolerarão a expansão da influência turca, também naquela região.

O emprego da Força Terrestre Componente sob a ót...
Maria Quitéria e as Mulheres Guerreiras

Posts Relacionados

 

Comentários 5

Visitantes - Souza Abreu em Segunda, 18 Outubro 2021 21:48

Parabéns pelo texto.
No domingo 18/10/2021 um missionário brasileiro que trabalhou no Quirguistão por 16 anos apresentou o Projeto Cáucaso na qual ele pretende pregar o evangelho na Geórgia. Não tinha referências dessa região, mas agora esse texto veio clarificar as dificuldades que ele vai enfrentar.
Aguardo mais textos.
Forte abraço!
Cel R1 SOUZA ABREU Art85

Parabéns pelo texto. No domingo 18/10/2021 um missionário brasileiro que trabalhou no Quirguistão por 16 anos apresentou o Projeto Cáucaso na qual ele pretende pregar o evangelho na Geórgia. Não tinha referências dessa região, mas agora esse texto veio clarificar as dificuldades que ele vai enfrentar. Aguardo mais textos. Forte abraço! Cel R1 SOUZA ABREU Art85
Visitantes - Armando Cavanha em Terça, 17 Novembro 2020 11:09

Paulo Filho, esses países tem línguas diferentes? Religiões diferentes? Qualquer tomada de território de qualquer parte deve significar problemas culturais, sociais humanos graves? Quais seriam as hipóteses? Obrigado pelo post. Abs

Paulo Filho, esses países tem línguas diferentes? Religiões diferentes? Qualquer tomada de território de qualquer parte deve significar problemas culturais, sociais humanos graves? Quais seriam as hipóteses? Obrigado pelo post. Abs
Visitantes - Cel Paulo Filho em Sexta, 20 Novembro 2020 12:06

Caro Cavanha,
São culturas, línguas e religiões bem diferentes. A crise se prolonga já há décadas também em razão da minoria armênia de Nagorno-Karabakh estar vivendo em uma região que acabou por passar a integrar um país com o qual eles não reconhecem vínculos culturais. Obrigado pelo comentário!

Caro Cavanha, São culturas, línguas e religiões bem diferentes. A crise se prolonga já há décadas também em razão da minoria armênia de Nagorno-Karabakh estar vivendo em uma região que acabou por passar a integrar um país com o qual eles não reconhecem vínculos culturais. Obrigado pelo comentário!
Visitantes - Wagner Felix em Terça, 10 Novembro 2020 01:10

Muito bom Compartilhando

Muito bom Compartilhando
Visitantes - Cel Paulo Filho em Sexta, 20 Novembro 2020 12:07

Muito obrigado!

Muito obrigado!
Visitantes
Segunda, 06 Dezembro 2021

By accepting you will be accessing a service provided by a third-party external to http://eblog.eb.mil.br/