Formar Líderes – as lições do Gen Octávio Costa

O Gen Octávio Costa, em sua brilhante aula inaugural proferida em 1982, na Academia Militar das Agulhas Negras, e à qual tive o privilégio de assistir como cadete do 4° ano, discorreu sobre a carreira militar que nos aguardava como futuros oficiais do Exército Brasileiro, bem como sobre o papel do oficial que iria ser incorporado em tão nobre Instituição.

De forma quase poética, o general detalhou o que poderíamos esperar da vida militar, assim como os desafios e sacrifícios que deveríamos estar dispostos a enfrentar. No decorrer de suas belas palavras, destacou pontos relevantes de vários aspectos pessoais e profissionais que nos serviriam de orientação e guia para toda a vida.

Passados 40 anos daquela marcante aula, quero refletir pontuando  alguns ensinamentos transmitidos pelo general e que, naquele momento, eu certamente não tinha maturidade para interpretar em plenitude; mas, hoje, vejo com clareza que conduzem à formação do líder militar.

Para tanto, escolhi 11 citações extraídas da aula inaugural, referenciando os 11 cadetes que compunham uma mesa completa nas refeições acadêmicas, evocando o simbolismo dos 12 apóstolos, sem a presença do traidor.

1 – AUTOCONHECIMENTO

“Começai a conhecer-vos, a vós próprios, profundamente, muito mais em vossos erros e carências.” 

 O Gen Octávio Costa evidencia em suas palavras um dos primeiros passos para se tornar líder: conhecer a si próprio.

Antes de se dispor a liderar os outros, é preciso liderar a si mesmo. Para tanto, é necessário, primeiramente, conhecer seus erros e defeitos. Depois disso, uma disciplina diária para mudar o comportamento, enraizando novas rotinas e atitudes. Ou seja, é preciso responder ao seguinte questionamento: como eu faço para ir daqui até ali? E, com muita firmeza de propósito, construir uma agenda de aprendizado.

2 – INTERNALIZAÇÃO DE VALORES

“Por maiores que sejam os valores de inteligência e da cultura, o Oficial do Exército é feito, sobretudo, de caráter.”

Possuir valores é a base de sustentação da liderança!

Em uma pesquisa que realizei em diferentes públicos de civis e militares, na qual foram apontados os 38 principais valores e as atitudes comportamentais destacados pela literatura especializada para os líderes, na média dos diferentes públicos, 36 dos 38 foram considerados imprescindíveis ou importantes para o líder.

É fácil entender que para seguir alguém é preciso confiar na pessoa. E não se confia em uma pessoa sem caráter.

3 – CONFIANÇA E ESPÍRITO DE EQUIPE

“Descobrireis as alegrias da solidariedade e do companheirismo, as virtudes da tenacidade e da lealdade, da mútua confiança e do espírito de equipe.”

O líder conduz a sua equipe. Faz as pessoas chegarem mais longe do que se caminhassem por conta própria. Para tanto, o líder tem que transmitir e conquistar a confiança de seus liderados.

A liderança somente se manifesta em grupo; portanto, o líder deverá desenvolver a habilidade de trabalhar em equipe. Somente com essa capacidade aprimorada, poderá extrair o melhor de cada integrante do grupo.

4 – APRENDER COM A EXPERIÊNCIA DOS OUTROS

“Olhai para vossos companheiros, para aprender com eles; aprender quando acertam, e mais aprender quando erram.”  

O líder adquire experiência e sabedoria aprendendo com os próprios erros e com os erros dos outros. Deve meditar sobre esse aprendizado e extrair lições para sua vida pessoal e profissional.

Dessa forma, ele é capaz de criar uma visão diferenciada do mundo e das pessoas, podendo qualificar suas ações. Líder tem que possuir visão, ver aquilo que ainda está invisível para a maioria e, assim, conduzir a melhores destinos.

5 – EMPATIA E RESPEITO

“Estendei as vossas mãos a outras mãos e mais ainda aprendei a estender as pontes da compreensão e da solidariedade.”
“Tratai-os [graduados e soldados], pois, com o respeito e o potencial de ajuda que se deve a um irmão.”

Para liderar é preciso possuir habilidade social, ou seja, saber lidar com as pessoas. A empatia facilita conhecer os liderados e levar em conta seus sentimentos, exponenciando a capacidade do líder de exercer influência.

A empatia torna o líder ainda mais apto a entender as carências e as necessidades dos outros e a respeitá-los, e com essa atitude ganhar o respeito.

Não há dúvida de que a habilidade social ajuda o líder a conduzir as pessoas na direção desejada.

6 – DEDICAÇÃO E ABNEGAÇÃO – AMAR O QUE FAZ

“Praticai a dedicação e a abnegação sem alardes.”

O verdadeiro líder ama o que faz e faz o que ama. Só se consegue dedicação e abnegação plena quando verdadeiramente se ama o que se faz.

O líder militar é um condutor de combatentes, e a profissão militar exige dedicação plena porque é rigorosa ao impor, se preciso, o sacrifício da própria vida. A dedicação permite buscar a excelência no cumprimento de suas obrigações profissionais e credencia o líder a ser exemplo para os demais.

 

7 – SENTIMENTO DO DEVER

“A verdadeira recompensa do soldado está dentro dele mesmo, na consciência de haver cumprido o seu dever.”
“Guardai para sempre a certeza de que o sentimento do dever é o mais alto atributo do soldado e principalmente do chefe militar.”

O sentimento do dever é a base de sustentação dos principais fatores de motivação do soldado para o combate. Estendendo as palavras do Gen Octávio Costa, é também alto atributo do líder. É o que orienta o líder na condução do seu grupo, sobrepondo a missão a possíveis interesses pessoais.

Essa virtude do sentimento do dever tem que ser internalizada e repassada aos demais. É reconhecida por especialistas como a grande motivadora para a condução das ações dos soldados quando enfrentam as agruras do combate.

8 – LEALDADE E AMOR À VERDADE

“O amor à verdade é a porta de todas as virtudes. E a lealdade não é só devida ao chefe, ainda mais devida a quem se chefia.”

Existem virtudes que são imprescindíveis para se exercer a liderança, e há uma lista extensa de atitudes comportamentais que são extremamente importantes.

Em pesquisa já mencionada neste texto sobre os atributos e as virtudes, a honestidade foi considerada a mais importante. Ser honesto e ter amor à verdade, como nos ensina o Gen Octávio Costa, é a base sólida em que se sustentam as demais virtudes.

A honestidade é também a base para se tornar uma pessoa leal. Sem lealdade não existe confiança e, como já dissemos, não se segue um líder no qual não se confia.

9 – EXERCÍCIO DA JUSTIÇA

“Fazei desde já o exercício da justiça. Praticai-o no julgamento de nós mesmos e dos outros.”   

A capacidade de aplicar a justiça na medida adequada é uma das virtudes dos grandes líderes. As biografias de líderes militares, como as de Aníbal, Alexandre, Napoleão, Osório, Caxias e tantos outros, apresentam relatos de como esses expoentes militares sabiam punir e recompensar na medida justa e, com isso, ganhar a confiança e o respeito de seus subordinados.

A injustiça fere e revolta, maculando seriamente o exercício da liderança.


10 – COMUNICAÇÃO ORAL E ESCRITA

“Exercitai o domínio da palavra, escrita e oral. Cedo havereis de descobrir que o conhecimento só tem valia se apropriadamente revelado pela palavra.”   

O exercício da liderança exige a comunicação do líder com seus liderados. O líder expressa suas ideias e perspectivas, motivando seus liderados a alcançar grandes conquistas. A palavra certa no momento adequado estimula, empolga, incentiva e dirige as ações.

Associada à expressão oral, está a expressão corporal, que deve ser praticada pelos líderes. Dizer uma coisa e o corpo indicar outra leva os liderados a perceber a mensagem transmitida pelo corpo.

Para poder liderar, é preciso acreditar nas palavras do Gen Octávio Costa e exercitar, constantemente, as expressões escrita e oral, associadas à expressão corporal.

11- SER EXEMPLO

“Observai os líderes, como são, como agem, para onde vão; e segui seu exemplo.”

Ser exemplo é um dos fundamentos da liderança militar. O líder deve praticar aquilo que exige do seu grupo. A falta de coerência, assim como dizer uma coisa e praticar outra, agride o liderado e destrói a confiança, sem a qual não se lidera. Talvez seja uma das expressões que mais ouvimos na nossa vida acadêmica: “as palavras movem, os exemplos arrastam”.

A magnífica aula inaugural do Gen Octávio Costa está verdadeiramente direcionada para uma escola de formação de líderes. Os ensinamentos do general apontam o caminho para que o nosso cadete se transforme no líder que o Exército precisa.

A nossa querida Academia Militar oferece as condições, as ferramentas e os especialistas para ensinar seu uso. Contudo, a construção deverá ser pessoal, por meio do esforço e da dedicação de cada um e, principalmente, de uma edificação pessoal que incorpore não só o conhecimento técnico, mas as virtudes e os valores que orientam as ações e o modo de vida pessoal e profissional.

Que privilégio ter sido um observador e ouvinte daquele espetáculo no auditório acadêmico. E que alegria, ao rever tão belas palavras, reconhecer, agora mais maduro, o quão sábias eram e ainda são.

Vende-se a Usina de Itaipu por R$ 1,99
Primeiro, cibernética! Então, defenda-a!

Posts Relacionados

 

Comentários 5

Visitantes - Luiz Dias em Segunda, 13 Junho 2022 22:37

onde encontro o discurso completo da aula inaugural AMAN 82 do Gen Octávio Costa?

onde encontro o discurso completo da aula inaugural AMAN 82 do Gen Octávio Costa?
Visitantes - Iramar Lubiana Junior em Quinta, 17 Março 2022 10:34

Excelente artigo!
Atualmente sirvo na AMAN como Cmt C Art.
Vamos explorar esse artigo com nossos Cadetes.

Grato por compartilhar essa primorosa experiência, que muito contribui para moldar os valores em nossos futuros oficiais!

Excelente artigo! Atualmente sirvo na AMAN como Cmt C Art. Vamos explorar esse artigo com nossos Cadetes. Grato por compartilhar essa primorosa experiência, que muito contribui para moldar os valores em nossos futuros oficiais!

O Gen Otávio Costa , ainda vivo há uns dois anos atrás, é uma inteligência brilhante tendo nos legado o mais belo e sintético livro sobre a FEB na 2ª Guerra: Trinta Anos Depois da Volta. Editoras civis, em edições atualizadas, lançaram Quarenta e depois Cinquenta Anos Depois da Volta. Vale a pena apresentar esta magnífica obra aos jovens militares.

O Gen Otávio Costa , ainda vivo há uns dois anos atrás, é uma inteligência brilhante tendo nos legado o mais belo e sintético livro sobre a FEB na 2ª Guerra: Trinta Anos Depois da Volta. Editoras civis, em edições atualizadas, lançaram Quarenta e depois Cinquenta Anos Depois da Volta. Vale a pena apresentar esta magnífica obra aos jovens militares.
Visitantes - Alffonso Ville dos Santos Gabriel em Quarta, 02 Março 2022 21:18

Ótimo artigo. Contribuo com algumas percepções minhas sobre alguns itens.
O item "8 - LEALDADE E AMOR À VERDADE" defendo que tanto a "lealdade" quanto o "amor" devem ser à "Verdade", pois a Verdade independe da existência de uma pessoa ou outra, logo ela não é "Falsa". Se a lealdade for a quem chefia ou é chefiado, estes são seres humanos, falhos por natureza e, numa decisão falha, em desacordo com a Verdade, ambos serão prejudicados. Portanto, até quem chefia pode errar.
O item "9 - EXERCÍCIO DA JUSTIÇA", deve sempre lembrar aquele que julga que deve buscar a Justiça, sem turvar seu julgamento por quaisquer sentimentos com os envolvidos no caso, mesmo que fosse o Bem ou o Mal personificado.
O item "10 - COMUNICAÇÃO ORAL E ESCRITA". Neste ponto, é notória a decadência não só dos líderes militares, mas da Civilização Ocidental. Critico aqui o mau uso das redes sociais e outras tecnologias de comunicação ("comunicação", supostamente era esse o objetivo), em que boa parte dos usuários ficou mal-acostumada a enviar mensagens cheias de abreviações e miseráveis em pontuação gramatical, mal consegue formar frases sem pausas para enviar um áudio e há pessoas que se sentem incomodadas ao receber uma ligação, pois acham muito "direta", "incisiva". Estas pessoas, quando postas numa conversa pessoalmente, não conseguem defender suas posições, têm vocabulário bastante limitado, não conseguem expressar o que querem. Sugiro para essas pessoas leitura, muita leitura, de grandes escritores que dominam a língua portuguesa, como Machado de Assis.
O item "11 - SER EXEMPLO" é inseparável do item "2 - INTERNALIZAÇÃO DE VALORES". O líder deve buscar uma vida virtuosa e buscar combater seus vícios. Ou, no mínimo (aqui somente pelo princípio do contraditório), ser honesto e deixar claro que é um mau exemplo, incentivando que façam o inverso.

Ótimo artigo. Contribuo com algumas percepções minhas sobre alguns itens. O item "8 - LEALDADE E AMOR À VERDADE" defendo que tanto a "lealdade" quanto o "amor" devem ser à "Verdade", pois a Verdade independe da existência de uma pessoa ou outra, logo ela não é "Falsa". Se a lealdade for a quem chefia ou é chefiado, estes são seres humanos, falhos por natureza e, numa decisão falha, em desacordo com a Verdade, ambos serão prejudicados. Portanto, até quem chefia pode errar. O item "9 - EXERCÍCIO DA JUSTIÇA", deve sempre lembrar aquele que julga que deve buscar a Justiça, sem turvar seu julgamento por quaisquer sentimentos com os envolvidos no caso, mesmo que fosse o Bem ou o Mal personificado. O item "10 - COMUNICAÇÃO ORAL E ESCRITA". Neste ponto, é notória a decadência não só dos líderes militares, mas da Civilização Ocidental. Critico aqui o mau uso das redes sociais e outras tecnologias de comunicação ("comunicação", supostamente era esse o objetivo), em que boa parte dos usuários ficou mal-acostumada a enviar mensagens cheias de abreviações e miseráveis em pontuação gramatical, mal consegue formar frases sem pausas para enviar um áudio e há pessoas que se sentem incomodadas ao receber uma ligação, pois acham muito "direta", "incisiva". Estas pessoas, quando postas numa conversa pessoalmente, não conseguem defender suas posições, têm vocabulário bastante limitado, não conseguem expressar o que querem. Sugiro para essas pessoas leitura, muita leitura, de grandes escritores que dominam a língua portuguesa, como Machado de Assis. O item "11 - SER EXEMPLO" é inseparável do item "2 - INTERNALIZAÇÃO DE VALORES". O líder deve buscar uma vida virtuosa e buscar combater seus vícios. Ou, no mínimo (aqui somente pelo princípio do contraditório), ser honesto e deixar claro que é um mau exemplo, incentivando que façam o inverso.
Visitantes - Alberto Luiz Zamith em Quarta, 02 Março 2022 19:47

eu estava no auditorio no 2º ano

eu estava no auditorio no 2º ano
Visitantes
Domingo, 26 Junho 2022

By accepting you will be accessing a service provided by a third-party external to http://eblog.eb.mil.br/