Fim da guerra (por enquanto) em Nagorno Karabakh*

Armênia e Azerbaijão assinaram, no último dia 10 de novembro, um acordo para cessar as ações militares e pôr fim a este capítulo do conflito que envolve os dois países já há duas décadas.

Com a intermediação do presidente russo Vladimir Putin, o Primeiro-Ministro da Armênia, Nikol Pashinyan, e o Presidente do Azerbaijão, Ilham Aliyev, concordaram em congelar a situação tal como ela se encontrava no dia 10 de novembro; ou seja, os avanços de tropas cessariam e a posse das regiões de Nagorno-Karabakh passariam a ser das tropas que controlassem o território naquela data.

Além disso, ficou acordado que os armênios deverão se retirar de sete províncias em território azerbaijano, as quais estavam controladas pelos armênios desde a guerra de 1991-94, e que tropas russas – em torno de dois mil homens – seriam desdobradas na região para separar os lados em conflito e garantir os termos do acordo.

O mapa abaixo facilita o entendimento do tratado.

Mapa adaptado pelo autor com base no existente em https://www.dhakatribune.com/

 

Em verde, no mapa, pode-se observar a área retomada pelas forças do Azerbaijão, que em uma manobra estratégica de flanco, pelo o Sul, conseguiram conquistar a cidade de Shusha, importantíssima do ponto de vista estratégico, uma vez que domina o corredor de Lachin, por onde os armênios abasteciam Nagorno-Karabakh com toda a sorte de suprimentos. Ao Norte, em terreno montanhoso e de progressão muito mais difícil, os ganhos territoriais azerbaijanos foram muito menores.

Foi uma vitória militar do Azerbaijão, sem dúvidas. Mas não uma vitória completa, visto que 2/3 do território de Nagorno-Karabakh permanecem sob controle da minoria armênia. Por alguma razão ainda não totalmente clara, os azerbaijanos não prosseguiram para a conquista da cidade de Stepankert, mais importante de toda a região, a apenas 11 quilômetros de Shusha. Certamente, esse prosseguimento estava no planejamento operacional, porque seria o natural objetivo para o aproveitamento do êxito decorrente da conquista de Shusha. Especula-se que a derrubada acidental, pela artilharia antiaérea do Azerbaijão, de um helicóptero russo sobre território armênio, no mesmo dia da conquista de Shusha, com a morte da tripulação, tenha desencadeado uma resposta mais assertiva dos russos no sentido de que poderiam entrar ao lado da Armênia se o conflito não fosse imediatamente interrompido.

De qualquer forma, o Azerbaijão comemora uma vitória pelas armas, que resulta no retorno à sua soberania de áreas de seu território perdidas na guerra de 1991/94 e que, por quase trinta anos, tentou recuperar por vias diplomáticas, sem sucesso. Isso aconteceu, em grande parte, por uma conjunção de fatores.

O primeiro deles foi o apoio decisivo da Turquia, tanto em recursos materiais quanto diplomáticos. Além disso, suspeita-se do envio pelos turcos de combatentes, recrutados na Síria para lutar ao lado das tropas azeris.

O segundo aspecto foi a neutralidade russa. A Armênia sempre contou com o apoio russo, com quem possui um acordo militar de segurança mútua, para dissuadir o Azerbaijão de uma aventura militar. Entretanto, desde que o Primeiro-Ministro Nikol Pashinyan assumiu o governo da Armênia, em 2018, o país adotou uma postura pró-ocidente, de aproximação da Europa, que contrariou os interesses russos. A neutralidade foi uma maneira bastante clara de a Rússia manifestar sua insatisfação.

O terceiro aspecto foi a inação dos EUA e da Europa. Enquanto os norte-americanos estavam totalmente concentrados em seu processo político interno de eleições presidenciais, os europeus mantinham-se completamente incapazes de atuar como um bloco coeso e permaneceram hesitantes em intrometer-se em problemas na área de influência russa.

Dada a conjunção de fatores acima, o Azerbaijão se sentiu à vontade para atuar militarmente, colocando em prática a máxima clausewitzniana de que a guerra é a continuação da política por outros meios.

Mas essa guerra travada no Cáucaso serve de alerta para uma realidade que poderá ser observada em outras partes do mundo. A emergência de uma ordem global multipolar, ao mesmo tempo em que há um enfraquecimento dos organismos multilaterais, multiplica os riscos de conflitos. Novas potências globais ou mesmo potências regionais em ascensão passam a ter seus interesses político-ideológicos, militares e econômicos ampliados e encontram a liberdade para agir que antes lhes era negada pelos freios que eram impostos pelas potências hegemônicas ou pelos organismos internacionais.

Assim, é possível se observar interesses dos EUA e da China colidirem na Ásia, na África e mesmo na América do Sul. Disputas também ocorrem entre turcos e russos no Cáucaso, na Síria e na Líbia. Diversos outros exemplos podem ser encontrados em outros locais, com outros atores, como na região da Caxemira, do Mar do Sul da China, Península da Coreia, Mar da China Oriental, Norte da África, Oriente Médio, Região do Magreb africano, Leste Europeu, Norte da América do Sul e Caribe, e Chifre da África, dentre outros.

Como se vê, a ordem multipolar que caracteriza o início do século 21 é notadamente mais instável e fomentadora de disputas. Por isso mesmo, ela exige o aperfeiçoamento de instâncias internacionais capazes de resolver pacificamente as controvérsias entre diferentes Estados e povos. No conflito de Nagorno-Karabakh tais instâncias falharam completamente.

*Artigo publicado no Blog do autor em 14 de novembro de 2020.

Tags: #Armênia, #Azerbaijão, #cáucaso, #Rússia, #Turquia

Competições de Inovação voltadas para o desenvolvi...
Implementação e ineditismo das mídias sociais como...
 

Comentários 4

Visitantes - Adriano Fernandes em Terça, 01 Dezembro 2020 13:18

Artigo muito bem redigido, abordando pontos estratégico com fidelidade nos mínimos detalhes.
O comentário do visitante de origem armena faz umas reassalvas interessantes tbm. Houve participação intens turca e de terroristas que a turquia utiliza como força não-regular.
Neste episódio a liderança política armena falhou miseravelmente.
Há um dado novo: deixaram desguarnecida a maior mina de ouro do país, que é tbm a maior contribuinte da nação, que agora está semi-ocupada por forças azeris.

Artigo muito bem redigido, abordando pontos estratégico com fidelidade nos mínimos detalhes. O comentário do visitante de origem armena faz umas reassalvas interessantes tbm. Houve participação intens turca e de terroristas que a turquia utiliza como força não-regular. Neste episódio a liderança política armena falhou miseravelmente. Há um dado novo: deixaram desguarnecida a maior mina de ouro do país, que é tbm a maior contribuinte da nação, que agora está semi-ocupada por forças azeris.
Visitantes - Eduardo Raffi Nigoghosian em Quinta, 26 Novembro 2020 23:54

Olá Coronel,
Gostaria de esclarecer alguns pontos do seu texto:
1) No segundo parágrafo abaixo do mapa você cita “minoria Armênia”, quando na verdade o território sempre foi habitado por uma maioria Armênia.
2) Não há uma suspeita do envio de combatentes turcos. Este é um fato, inclusive a utilização de caças F-16 fotografados na base aérea Azeri. Também levaram milhares de mercenários Sírios, Libios.
3) O Coronel esqueceu de citar a utilização de armas e drones Israelenses.
4) Peço que cite as atrocidades e crimes de guerra cometidas durante e após a guerra - até o momento está acontecendo. Posso compartilhar com o Coronel uma série de vídeos, incluindo estupro de civis, degola de civil e militar (vivos e mortos), humilhação e tortura, utilização de fósforo branco para queima de pessoas - arma proibida, bombas de fragmentação.

Fica aqui meu singelo comentário.

Eduardo Raffi Nigoghosian

Olá Coronel, Gostaria de esclarecer alguns pontos do seu texto: 1) No segundo parágrafo abaixo do mapa você cita “minoria Armênia”, quando na verdade o território sempre foi habitado por uma [b]maioria[/b] Armênia. 2) Não há uma suspeita do envio de combatentes turcos. Este é um fato, inclusive a utilização de caças F-16 fotografados na base aérea Azeri. Também levaram milhares de mercenários Sírios, Libios. 3) O Coronel esqueceu de citar a utilização de armas e drones Israelenses. 4) Peço que cite as atrocidades e crimes de guerra cometidas durante e após a guerra - até o momento está acontecendo. Posso compartilhar com o Coronel uma série de vídeos, incluindo estupro de civis, degola de civil e militar (vivos e mortos), humilhação e tortura, utilização de fósforo branco para queima de pessoas - arma proibida, bombas de fragmentação. Fica aqui meu singelo comentário. Eduardo Raffi Nigoghosian
Visitantes - Ramir Auker em Quinta, 26 Novembro 2020 01:57

Interessante termos uma visão e um olhar do EB sobre esse conflito. O mesmo demostrou que as guerras estão cada vez mais assimétricas e a tendência de utilização de drones (baratos) para não só monitoramento, mas ataquele das fileiras blindadas dentre outros usos. Gostaria de perguntar se existe algum estudo ou se acendeu algum alerta sobre isso junto ao EB ? Face a nossa atual falta de meios de defesa antiaérea (SAM) e antidrones.

Interessante termos uma visão e um olhar do EB sobre esse conflito. O mesmo demostrou que as guerras estão cada vez mais assimétricas e a tendência de utilização de drones (baratos) para não só monitoramento, mas ataquele das fileiras blindadas dentre outros usos. Gostaria de perguntar se existe algum estudo ou se acendeu algum alerta sobre isso junto ao EB ? Face a nossa atual falta de meios de defesa antiaérea (SAM) e antidrones.
Visitantes - Felipe Coutinho em Quarta, 25 Novembro 2020 18:25

Acredito que estamos vivendo um período de transição de hegemonias, numa era em que não se sabe exatamente quem é ou poderá se tornar um inimigo.
Precisamos de mais investimentos na área da defesa, inteligência e contrainteligência.
O post foi muito interessante.

Acredito que estamos vivendo um período de transição de hegemonias, numa era em que não se sabe exatamente quem é ou poderá se tornar um inimigo. Precisamos de mais investimentos na área da defesa, inteligência e contrainteligência. O post foi muito interessante.
Visitantes
Quarta, 01 Dezembro 2021

By accepting you will be accessing a service provided by a third-party external to http://eblog.eb.mil.br/