As Relações Interpessoais e as Novas Tecnologias

​Nos últimos anos, houve um extraordinário avanço no desenvolvimento das novas tecnologias, principalmente, nos dispositivos móveis de comunicação, que, atualmente, dispõem de inúmeros recursos, os quais extrapolam a principal função para o qual foram criados: a telefonia propriamente dita. Há dez anos, quem poderia imaginar enviar um vídeo, uma foto ou um documento, instantaneamente, para alguém que se encontra em outro país ou escolher a melhor rota, em um deslocamento motorizado, utilizando o aparelho celular?

Sem dúvida, essa tecnologia de última geração traz inúmeros recursos, que facilitam o dia a dia, porém, quem já parou para observar como estão as relações interpessoais no aspecto da comunicação, quando as pessoas estão juntas fisicamente? Com certeza, percebe-se que houve mudança nesse aspecto.

Não é incomum ver um grupo que, embora compartilhe o mesmo ambiente, seus integrantes não conversam entre si, por estarem teclando no mundo digital. Até mesmo no espaço familiar, essa prática está se tornando cada vez mais usual. A divisão da atenção entre alguém com quem conversamos e o nosso smartphone está aumentando gradativamente. Muitas vezes, conversamos e, ao mesmo tempo, navegamos nas redes sociais para verificar uma "curtida". Em alguns momentos, prestamos mais atenção no sinal de recebimento de mensagens do nosso aparelho do que na fala do interlocutor.

Hoje, as conversas não são como em outros tempos. Elas se tornaram rápidas e superficiais, o que nos tira a possibilidade de ter uma interação mais profunda e sadia, com a troca de experiências e o contato mais próximo com familiares e companheiros de trabalho.

No ambiente profissional, convivemos com essa nova realidade, contudo, nós, militares, devemos atentar para não priorizarmos a comunicação digital em detrimento da relação interpessoal. Para um sargento, por exemplo, que é comandante de grupo, poder exercer a liderança na plenitude, é de extrema importância que ele conheça bem os soldados sob seu comando. Para tanto, esse militar deve conhecer a personalidade, os hábitos, a composição familiar, as aflições, as pretensões pessoais e profissionais de cada um de seus subordinados. Isto só é possível por meio da conversa diária, do diálogo "olho no olho", única situação capaz de fazer com que sinta o estado de espírito daqueles com quem lida diariamente.

A conversa pelo mundo virtual é fria. Por isso, os emoticons nunca substituirão as expressões faciais humanas, as quais demonstram, verdadeiramente, o que o outro está sentindo.

É inevitável que as novas gerações, já nascidas nesse mundo digital, utilizem, cada vez mais, essas novas tecnologias. Todavia, o uso deve acontecer com sabedoria. Certamente, toda essa inovação é muito útil, porém, não devemos nos esquecer de que, por sermos humanos, necessitamos de um contato interpessoal de qualidade, para uma eficiente transmissão de valores e conhecimentos.

As Perspectivas Econômicas para o País até 2022 e ...
Ainda há Chefia com Liderança
 

Comentários

Nenhum comentário feito ainda. Seja o primeiro a enviar um comentário
Visitantes
Terça, 30 Maio 2017

Imagem do Captcha