A liderança no nível político

Os jornais mais importantes do País têm dedicado diversos editoriais e textos de opinião, nos quais se diagnostica a ausência de lideranças políticas capazes de "aglutinar sentimentos, representar vontades, promover consensos e levar adiante projetos que ultrapassem os interesses particulares". Atesta-se, portanto, repetidas vezes, a falta que os líderes fazem ao Brasil nesse momento de gravíssimas dificuldades políticas, econômicas e sociais.

Realmente, não há exemplos na história recente do Brasil de um momento em que lideranças políticas fossem tão escassas, tão difíceis de ser apontadas. Pretensas lideranças foram engolfadas por escândalos e deixaram órfãos aqueles que, de boa-fé, creditavam-lhes alguma dose de confiança na capacidade de conduzir os destinos da Nação.

Lideranças políticas podem ser definidas como pessoas com a capacidade de influenciar outras, por intermédio da criação de vínculos afetivos (respeito, admiração, confiança), de modo que os cidadãos sejam levados a acreditar que o líder conduzirá o grupo – no caso, o próprio país – pelos melhores caminhos para a superação de todas as dificuldades que se apresentam.

Três devem ser os focos de trabalho das lideranças políticas: o primeiro é o de criar uma visão de futuro para a coletividade a que servem. Assim, as lideranças devem ter o exato objetivo de para onde querem conduzir a sociedade que as elegeu. O segundo foco é a mudança. Para isso, devem ter clara a noção da realidade que as cerca, saber exatamente em que ponto a sociedade se encontra e quais deverão ser as medidas que conduzirão à situação a que desejam chegar. O terceiro é o alinhamento das políticas, estratégias, programas e projetos de governo, para que todos os ministérios, secretarias, agências e órgãos trabalhem em coordenação de esforços (e não em concorrência), na busca das metas colimadas.

Evidentemente, não é tarefa fácil. Em tempos normais, tudo isso exige preparo intelectual, capacidade de articulação, experiência política, entre outras qualidades. Em época de crise, como a que vivemos, some-se a essas expertises uma sólida crença nos valores caros à sociedade que o líder representa, valores esses como honra, honestidade, amor à verdade e à justiça, respeito aos cidadãos (que devem ser, genuinamente, considerados dignos de reverência, deferência e gratidão), integridade e patriotismo, colocando-se os interesses da Pátria acima das conveniências particulares.

Não há atalhos na formação de lideranças políticas. Estas são forjadas durante o caminho do serviço à sociedade, desde a experiência comunitária até o desempenho dos mais altos cargos da Nação. Não há, portanto, espaço para aventureiros ou "salvadores da pátria". Entretanto, vivemos dias em que é muito difícil reconhecer líderes que comunguem dos valores mais caros aos brasileiros. É, principalmente, por essa razão que os formadores de opinião na imprensa e a grande maioria dos brasileiros clamam por líderes capazes de aglutinar as vontades de todos os setores da sociedade, na busca de um caminho que nos conduza aos destinos a que aspiramos como cidadãos.

Crença em valores. É isso que os brasileiros esperam de suas lideranças. Somente pessoas que demonstrem essa capacidade conseguirão inspirar os brasileiros, unindo a sociedade em prol das soluções para os muitos problemas que nos afligem.




Autor – Paulo Roberto da Silva Gomes Filho, Coronel de Cavalaria do Exército, é coordenador da Disciplina Liderança na Escola de Comando e Estado-Maior do Exército.

.

Pesquisa comprova o êxito da Força de Pacificação ...
Fotografia: estamos todos conectados a ela

Posts Relacionados

 

Comentários 17

Visitantes - robson em Sexta, 11 Agosto 2017 19:45

"
Em época de crise, como a que vivemos, some-se a essas expertises uma sólida crença nos valores caros à sociedade que o líder representa, valores esses como honra, honestidade, amor à verdade e à justiça, respeito aos cidadãos (que devem ser, genuinamente, considerados dignos de reverência, deferência e gratidão), integridade e patriotismo, colocando-se os interesses da Pátria acima das conveniências particulares."

Cel. Paulo filho

Estes valores têm sido violados através do discurso político enviesado, parecido com o que este artigo defende, mas com intenções de destruir.

Há três interesses internacionais infiltrados na politica hostis a sua integridade : o globalismo, a mafia russo chinesa e o isla.

A procuradora beatriz kicis denuncia a intenção de se reduzir o Ministerio Público a defensor da pauta revolucionaria de cut, une e mst.

Na sua visão como esta a integridade das instituições da defesa nacional contra infiltrações e engenharia social ?


https://m.youtube.com/watch?v=cqNLO4RdMPY

Estes valores caros expressos de forma direta e inquestionável

" Em época de crise, como a que vivemos, some-se a essas expertises uma sólida crença nos valores caros à sociedade que o líder representa, valores esses como honra, honestidade, amor à verdade e à justiça, respeito aos cidadãos (que devem ser, genuinamente, considerados dignos de reverência, deferência e gratidão), integridade e patriotismo, colocando-se os interesses da Pátria acima das conveniências particulares." Cel. Paulo filho Estes valores têm sido violados através do discurso político enviesado, parecido com o que este artigo defende, mas com intenções de destruir. Há três interesses internacionais infiltrados na politica hostis a sua integridade : o globalismo, a mafia russo chinesa e o isla. A procuradora beatriz kicis denuncia a intenção de se reduzir o Ministerio Público a defensor da pauta revolucionaria de cut, une e mst. Na sua visão como esta a integridade das instituições da defesa nacional contra infiltrações e engenharia social ? https://m.youtube.com/watch?v=cqNLO4RdMPY Estes valores caros expressos de forma direta e inquestionável
Visitantes - José Moniz de Andrade Jr em Quarta, 09 Agosto 2017 23:17

O Brasil não tem político. Tem pessoas com um outros adjetivos
Eu sou uma pessoa descrente neste sistema que aí está.

O Brasil não tem político. Tem pessoas com um outros adjetivos Eu sou uma pessoa descrente neste sistema que aí está.
Visitantes - Satiro Maia em Quarta, 09 Agosto 2017 20:04

O povo brasileiro é conservador em 90%, segundo pesquisa do Datafolha, sendo as perecentagens aferidas as seguintes: 54% com alto grau de Conservadorismo; 41% com grau médio de Conservadorismo e apenas 5% com nenhum grau de Conservadorismo. A esquerda deteve por décadas , a hegemonia cultural no meio acadêmico, escolar, midiático. O povo, sem ter uma voz que ecoasse em diapasão com seus valores, foi bombardeado com relativismo e marxismo culturais advindos da Escola de Frankfurt, e não tendo uma opção partidária verdadeiramente conservadora, passou a escolher entre esquerda e esquerda.
Hoje, o panorama começa francamente a mudar. O povo está se reencontrando com sua própria identidade conservadora, e agora com um adendo: o povo conservador está lendo, estudando, e agora sabe defender pelo intelecto, aquilo que o coração já sentia.

O povo brasileiro é conservador em 90%, segundo pesquisa do Datafolha, sendo as perecentagens aferidas as seguintes: 54% com alto grau de Conservadorismo; 41% com grau médio de Conservadorismo e apenas 5% com nenhum grau de Conservadorismo. A esquerda deteve por décadas , a hegemonia cultural no meio acadêmico, escolar, midiático. O povo, sem ter uma voz que ecoasse em diapasão com seus valores, foi bombardeado com relativismo e marxismo culturais advindos da Escola de Frankfurt, e não tendo uma opção partidária verdadeiramente conservadora, passou a escolher entre esquerda e esquerda. Hoje, o panorama começa francamente a mudar. O povo está se reencontrando com sua própria identidade conservadora, e agora com um adendo: o povo conservador está lendo, estudando, e agora sabe defender pelo intelecto, aquilo que o coração já sentia.
Visitantes - Elesi F em Quarta, 09 Agosto 2017 13:59

Não estamos em crise, estamos numa DITADURA DA NOVA REPUBLICA, que é um regime comunista escravocrata de exploração do povo brasileiro.

Todos os países se desenvolvem, só o Brasil que retrocede, o que é um absurdo, porque o Brasil é o mais mais rico do planeta terra, é uma potencia natural, mas não é dono e nunca foi dono de si mesmo.

Toda a classe politica cumpre ordens de fora, e as instituições brasileiras nunca serviram ao povo, sempre se serviram-se do povo.

Vamos parar de varrer a sujeira para de baixo do tapete e encarar a realidade como homens e honrar a confiança do povo brasileiro nas forças armadas?


O NÚCLEO, O EXÉRCITO E O DEVER DE DIZER NÃO

Em 1889 o Brasil tinha cerca de 14 milhões de habitantes, absolutamente alheios, como hoje, ao Sistema de Governo. Tratavam da própria vida, no ritmo dos trópicos, espalhados por 8,5 milhões de km².

O Império do Brasil era a segunda potência econômica e militar do mundo. O Maranhão, à época, grande produtor de algodão, era a 5ª potência econômica do mundo.

As Forças Armadas Imperiais tinham cultura de combate, adquirida na Guerra do Paraguai. A Marinha Imperial, 2ª do mundo, dominava o Atlântico, a projeção de poder do Brasil Imperial alcançava a África e o extremo oriente; cenário preocupante para a maior potência militar: o Império Britânico.

De repente, em 15 de novembro de 1889, aparentemente atendendo aos anseios de algumas centenas de republicanos e, supostamente em retaliação ao Visconde de Ouro Preto, Ministro do Império, Deodoro da Fonseca, com uma “barretada”, lançou o Império do Brasil no 3º Mundo.

A decadência permanente do período posterior à proclamação da República, levanta suspeitas e impõe uma análise histórica sob ângulos diferentes dos abordados habitualmente.

O Brasil, após 15 de novembro, “despencou” do 2º lugar como potência militar e econômica do mundo, para um modesto 46º lugar em 1964, quando houve uma “repescagem” econômica com os governos militares e o país, em 1973, ascendeu ao 8º lugar, como potência econômica.

A decadência continuou e, atualmente, o Brasil, apesar de ser a 7ª potência econômica mundial é, apenas, a 60ª potência militar e sua educação ocupa a 88ª posição.

Essa decadência foi atípica, porque o Brasil é uma potência natural, com território, população e recursos naturais. Não fossem os colaboracionistas, teria se desenvolvido como os irmãos dos Estados Unidos da América fizeram. E não se fale em povo, porque o povo nunca fez nem soube de nada; nem cá e nem lá.

Voltando a 1889, não é verossímil, que algumas centenas de republicanos, tenham empolgado o Exército Brasileiro a proclamar a República e, no aproveitamento do êxito, massacrado os oponentes da Marinha Imperial.

Para concluir basta perguntar: A quem aproveitou o fim do Império do Brasil?

Certamente ao Império Britânico, que como afirmou Eric Hobsbawm (historiador britânico), em a Era dos Impérios, tinha a América do Sul como parte informal de suas possessões.

A conclusão é dolorosa, mas deve ser feita. Foi apenas um Núcleo de Oficiais do Exército Brasileiro que, talvez inadvertidamente, garantiu o êxito do Império Britânico. Isso até se explica, porque Benjamin Constant, líder do movimento, não era guerreiro, era um professor de matemática, que tudo fez para não ir para a Guerra do Paraguai.

Estranhamente, o Exército Brasileiro, proclamou a República, mas não a implantou, limitando-se a algumas intervenções superficiais na Política, sem contudo, aprimorar as Instituições e garantir a Democracia.

A “classe política”, desde 1889, vem assenhoreando-se do Brasil, como coisa deles, e o Exército não vem cumprindo o seu exclusivo dever de dizer não.

Será que o Núcleo de Oficiais, que proclamou a República, ainda controla politicamente o Exército Brasileiro, suscitando um falso corporativismo, que procura manter os brasileiros fardados alheios à coisa política?

Esse alheiamento vulnerabilizou o Brasil, que sofre ataques de Guerra de 5ª Geração, sem qualquer reação. Nossas ferrovias foram destroçadas, de Norte a Sul, de Leste a Oeste; o Lloyd Brasileiro foi extinto; a guerrilha campesina atacou o agronegócio, financiada com dinheiro público e internacional; minérios estratégicos são exportados fraudulentamente, por preços vis; nossa indústria bélica, que garantiu o poder de fogo do Iraque e da Líbia, foi fechada; nossas hidrovias permanecem inexploradas; a logística tem “gargalos”, que entravam o desenvolvimento; tudo sem que o Exército dissesse não, apesar do evidente solapamento da Soberania.

Tudo leva a crer, que o Núcleo de oficiais, que lançou o Império do Brasil no 3º Mundo, perenizou-se e atua de forma intertemporal, sufocando, talvez inadvertidamente, nossas potencialidades. Seu papel não é complicado, basta impedir o Exército de dizer não. Assim foi na criação da Reserva Raposa Serra do Sol, também de interesse do Império Britânico, muito se falou, até com certa veemência, mas o Exército Brasileiro não disse NÃO (em 1904 a Guiana Inglesa nos tomou 19.000 km², na mesma região),

Essa omissão, do DEVER DE DIZER NÃO, possibilitou que os poltrões e traidores de gravata “cumprissem sua missão”. Para o Império Britânico a continuação do golpe já praticado em 1904 está em andamento! É preciso cumprir o DEVER DE DIZER NÃO!

Revisitando a história, observa-se que o primeiro ato da 1ª Guerra Mundial foi a Proclamação da República no Brasil.

A Princesa Izabel casou-se, em aliança monárquica, com o Príncipe Gastão de Orléans, Conde d’Eu, dinasta francês das Casas Bourbon Orléans e Saxe-Coburg-Gotha, forjando a aliança do Império do Brasil, com o Império Português, com o Império Francês e com o Império Austro-Húngaro e Alemão. O Austro-Húngaro corresponderia atualmente à Áustria, Hungria, República Checa, Eslováquia, Eslovénia, Croácia, Bósnia e Herzegovina e as regiões da Voivodina na Sérvia, Bocas de Kotor no Montenegro, Trentino-Alto Ádige e Trieste na Itália, Transilvânia e parte do Banato na Roménia, Galícia na Polónia e Ruténia (região Subcarpática) na Ucrânia).

Sem a proclamação da República no Brasil a 1ª Guerra Mundial não teria ocorrido.

A Marinha Imperial Brasileira dominava o Oceano Atlântico e as alianças monárquicas do Império do Brasil impediriam a formação da Tríplice Entente - a aliança militar realizada entre a Inglaterra, a França e o Império Russo após a assinatura da Entente Anglo-Russa em 1907. A Aliança Franco-Russa de 1871, juntamente com a Entente Anglo-Russa de 1907 e a Entente Cordiale de 1903, formaram a Tríplice Entente, entre a França, o Império Britânico e a Rússia.

Bem sucedido no Brasil, sem disparar um único tiro, graças ao Núcleo de oficiais existente no Exército Brasileiro, o Império Britânico deu andamento ao seu planejamento.

Em 28 anos, de 1889 a 1917, o Império Britânico destroçou 7 (sete) impérios: o do Brasil, o de Portugal, o Otomano, o Francês, o Russo, o Austro-Húngaro e o Alemão. O Império Otomano existiu entre 1299 e 1922 e, no seu auge, compreendia a Anatólia, o Médio Oriente, parte do norte de África e do sudeste europeu. O Império Russo existiu de 1721 (Czar Pedro I) até a Revolução Russa, de 1917 (Czar Nicolau II). Em seu ápice, em 1866, se estendia da Europa do Leste, percorria toda a Ásia e chegava à América do Norte. O Império Alemão governado pela Casa von Hohenzollern. Existiu desde a sua consolidação como Estado-nação em 1871 até 1918, após a derrota na 1ª Guerra Mundial.

Na história da humanidade não existe registro de tal “sucesso” em apenas 28 anos. Nem os Romanos conseguiram tal proeza.

Esse brilhantismo político-estratégico, que nos vitimou e, vitima, deve ser objeto de estudos adequadamente dirigidos, que ajudarão a sobrestar os 121 anos de decadência do Brasil.

Acima de tudo, o Exército Brasileiro precisa encapsular esse Núcleo de falso corporativismo, que vem impedindo o cumprimento do dever de dizer não.

Encapsulado o núcleo, o Brasil se autodeterminará automaticamente e a missão desta geração de brasileiros estará cumprida, sem qualquer ruptura, sem violência, basta, apenas, o Exército Brasileiro passar a cumprir o seu intransferível dever de dizer não.

*Antônio José Ribas Paiva, Advogado, é Presidente do grupo de estudos União Nacionalista Democrática – UND. Texto enviado, em carta protocolada, no dia 4 de abril de 2011 a todos os Generais de Exército, membros do Alto Comando do EB.

Não estamos em crise, estamos numa DITADURA DA NOVA REPUBLICA, que é um regime comunista escravocrata de exploração do povo brasileiro. Todos os países se desenvolvem, só o Brasil que retrocede, o que é um absurdo, porque o Brasil é o mais mais rico do planeta terra, é uma potencia natural, mas não é dono e nunca foi dono de si mesmo. Toda a classe politica cumpre ordens de fora, e as instituições brasileiras nunca serviram ao povo, sempre se serviram-se do povo. Vamos parar de varrer a sujeira para de baixo do tapete e encarar a realidade como homens e honrar a confiança do povo brasileiro nas forças armadas? O NÚCLEO, O EXÉRCITO E O DEVER DE DIZER NÃO Em 1889 o Brasil tinha cerca de 14 milhões de habitantes, absolutamente alheios, como hoje, ao Sistema de Governo. Tratavam da própria vida, no ritmo dos trópicos, espalhados por 8,5 milhões de km². O Império do Brasil era a segunda potência econômica e militar do mundo. O Maranhão, à época, grande produtor de algodão, era a 5ª potência econômica do mundo. As Forças Armadas Imperiais tinham cultura de combate, adquirida na Guerra do Paraguai. A Marinha Imperial, 2ª do mundo, dominava o Atlântico, a projeção de poder do Brasil Imperial alcançava a África e o extremo oriente; cenário preocupante para a maior potência militar: o Império Britânico. De repente, em 15 de novembro de 1889, aparentemente atendendo aos anseios de algumas centenas de republicanos e, supostamente em retaliação ao Visconde de Ouro Preto, Ministro do Império, Deodoro da Fonseca, com uma “barretada”, lançou o Império do Brasil no 3º Mundo. A decadência permanente do período posterior à proclamação da República, levanta suspeitas e impõe uma análise histórica sob ângulos diferentes dos abordados habitualmente. O Brasil, após 15 de novembro, “despencou” do 2º lugar como potência militar e econômica do mundo, para um modesto 46º lugar em 1964, quando houve uma “repescagem” econômica com os governos militares e o país, em 1973, ascendeu ao 8º lugar, como potência econômica. A decadência continuou e, atualmente, o Brasil, apesar de ser a 7ª potência econômica mundial é, apenas, a 60ª potência militar e sua educação ocupa a 88ª posição. Essa decadência foi atípica, porque o Brasil é uma potência natural, com território, população e recursos naturais. Não fossem os colaboracionistas, teria se desenvolvido como os irmãos dos Estados Unidos da América fizeram. E não se fale em povo, porque o povo nunca fez nem soube de nada; nem cá e nem lá. Voltando a 1889, não é verossímil, que algumas centenas de republicanos, tenham empolgado o Exército Brasileiro a proclamar a República e, no aproveitamento do êxito, massacrado os oponentes da Marinha Imperial. Para concluir basta perguntar: A quem aproveitou o fim do Império do Brasil? Certamente ao Império Britânico, que como afirmou Eric Hobsbawm (historiador britânico), em a Era dos Impérios, tinha a América do Sul como parte informal de suas possessões. A conclusão é dolorosa, mas deve ser feita. Foi apenas um Núcleo de Oficiais do Exército Brasileiro que, talvez inadvertidamente, garantiu o êxito do Império Britânico. Isso até se explica, porque Benjamin Constant, líder do movimento, não era guerreiro, era um professor de matemática, que tudo fez para não ir para a Guerra do Paraguai. Estranhamente, o Exército Brasileiro, proclamou a República, mas não a implantou, limitando-se a algumas intervenções superficiais na Política, sem contudo, aprimorar as Instituições e garantir a Democracia. A “classe política”, desde 1889, vem assenhoreando-se do Brasil, como coisa deles, e o Exército não vem cumprindo o seu exclusivo dever de dizer não. Será que o Núcleo de Oficiais, que proclamou a República, ainda controla politicamente o Exército Brasileiro, suscitando um falso corporativismo, que procura manter os brasileiros fardados alheios à coisa política? Esse alheiamento vulnerabilizou o Brasil, que sofre ataques de Guerra de 5ª Geração, sem qualquer reação. Nossas ferrovias foram destroçadas, de Norte a Sul, de Leste a Oeste; o Lloyd Brasileiro foi extinto; a guerrilha campesina atacou o agronegócio, financiada com dinheiro público e internacional; minérios estratégicos são exportados fraudulentamente, por preços vis; nossa indústria bélica, que garantiu o poder de fogo do Iraque e da Líbia, foi fechada; nossas hidrovias permanecem inexploradas; a logística tem “gargalos”, que entravam o desenvolvimento; tudo sem que o Exército dissesse não, apesar do evidente solapamento da Soberania. Tudo leva a crer, que o Núcleo de oficiais, que lançou o Império do Brasil no 3º Mundo, perenizou-se e atua de forma intertemporal, sufocando, talvez inadvertidamente, nossas potencialidades. Seu papel não é complicado, basta impedir o Exército de dizer não. Assim foi na criação da Reserva Raposa Serra do Sol, também de interesse do Império Britânico, muito se falou, até com certa veemência, mas o Exército Brasileiro não disse NÃO (em 1904 a Guiana Inglesa nos tomou 19.000 km², na mesma região), Essa omissão, do DEVER DE DIZER NÃO, possibilitou que os poltrões e traidores de gravata “cumprissem sua missão”. Para o Império Britânico a continuação do golpe já praticado em 1904 está em andamento! É preciso cumprir o DEVER DE DIZER NÃO! Revisitando a história, observa-se que o primeiro ato da 1ª Guerra Mundial foi a Proclamação da República no Brasil. A Princesa Izabel casou-se, em aliança monárquica, com o Príncipe Gastão de Orléans, Conde d’Eu, dinasta francês das Casas Bourbon Orléans e Saxe-Coburg-Gotha, forjando a aliança do Império do Brasil, com o Império Português, com o Império Francês e com o Império Austro-Húngaro e Alemão. O Austro-Húngaro corresponderia atualmente à Áustria, Hungria, República Checa, Eslováquia, Eslovénia, Croácia, Bósnia e Herzegovina e as regiões da Voivodina na Sérvia, Bocas de Kotor no Montenegro, Trentino-Alto Ádige e Trieste na Itália, Transilvânia e parte do Banato na Roménia, Galícia na Polónia e Ruténia (região Subcarpática) na Ucrânia). Sem a proclamação da República no Brasil a 1ª Guerra Mundial não teria ocorrido. A Marinha Imperial Brasileira dominava o Oceano Atlântico e as alianças monárquicas do Império do Brasil impediriam a formação da Tríplice Entente - a aliança militar realizada entre a Inglaterra, a França e o Império Russo após a assinatura da Entente Anglo-Russa em 1907. A Aliança Franco-Russa de 1871, juntamente com a Entente Anglo-Russa de 1907 e a Entente Cordiale de 1903, formaram a Tríplice Entente, entre a França, o Império Britânico e a Rússia. Bem sucedido no Brasil, sem disparar um único tiro, graças ao Núcleo de oficiais existente no Exército Brasileiro, o Império Britânico deu andamento ao seu planejamento. Em 28 anos, de 1889 a 1917, o Império Britânico destroçou 7 (sete) impérios: o do Brasil, o de Portugal, o Otomano, o Francês, o Russo, o Austro-Húngaro e o Alemão. O Império Otomano existiu entre 1299 e 1922 e, no seu auge, compreendia a Anatólia, o Médio Oriente, parte do norte de África e do sudeste europeu. O Império Russo existiu de 1721 (Czar Pedro I) até a Revolução Russa, de 1917 (Czar Nicolau II). Em seu ápice, em 1866, se estendia da Europa do Leste, percorria toda a Ásia e chegava à América do Norte. O Império Alemão governado pela Casa von Hohenzollern. Existiu desde a sua consolidação como Estado-nação em 1871 até 1918, após a derrota na 1ª Guerra Mundial. Na história da humanidade não existe registro de tal “sucesso” em apenas 28 anos. Nem os Romanos conseguiram tal proeza. Esse brilhantismo político-estratégico, que nos vitimou e, vitima, deve ser objeto de estudos adequadamente dirigidos, que ajudarão a sobrestar os 121 anos de decadência do Brasil. Acima de tudo, o Exército Brasileiro precisa encapsular esse Núcleo de falso corporativismo, que vem impedindo o cumprimento do dever de dizer não. Encapsulado o núcleo, o Brasil se autodeterminará automaticamente e a missão desta geração de brasileiros estará cumprida, sem qualquer ruptura, sem violência, basta, apenas, o Exército Brasileiro passar a cumprir o seu intransferível dever de dizer não. *Antônio José Ribas Paiva, Advogado, é Presidente do grupo de estudos União Nacionalista Democrática – UND. Texto enviado, em carta protocolada, no dia 4 de abril de 2011 a todos os Generais de Exército, membros do Alto Comando do EB.
Visitantes - Carlos Pedro em Quarta, 09 Agosto 2017 05:54

Não ha no meio civil politico nenhum representante do povo , o povo que esta idiotizado pelas escolas/faculdade/mídia esquerdistas que deste de 1964 viram como solução a longo prazo , doutrinar as crianças e adolescentes, me lembro bem que nos anos 80 quando era estudante , tínhamos como opção sair da escola para acompanhar manifestações promovidas por professores (esquerdistas) ou ficar preso na escola e perder em notas nas matérias dos professores, sem saber porque esta participando da manifestação mais apenas pra sair da escola e não ser prejudicado em minhas notas eu ia as manifestações pelas "diretas já " , esta mesma tatica é usada por grupos como MST, MSTS que dizem lutar por reforma agraria ou por casa própria, vejo muito isto manifestastes que nem sabem porque estão lá , mais pra não perder a chante de ganhar seu pedaço de terra ou sua casa própria , vão as manifestações e servem como massa de manobra a estes grupos, diante a idiotização do povo e de que aqueles que tem consciência do que esta acontecendo no pais e já , afirmo , já se manifestaram em favor de uma intervenção militar no Brasil , pois só assim se poderá limpar todas as instituições que apesar do general Villas Boas afirmar que estão funcionando , não estão , a não ser que ele queira dizer que funciona pra defender os bandido (políticos), peço PELO AMOR DE DEUS, que não esperem ficarmos como a Venezuela que só agora destruída e finalmente recebeu o golpe final e se tornou o primeiro pais comunista da América latina , agora o povo caiu a ficha por causa da pobreza estrema , mais agora é tarde para aquele pais, espero que nossas FFAA em que o povo ainda confia não deixe chegar a este patamar pra tomar uma atitude, pois esqueçam , o povo idiotizado não ira as ruas pedirem intervenção !

Não ha no meio civil politico nenhum representante do povo , o povo que esta idiotizado pelas escolas/faculdade/mídia esquerdistas que deste de 1964 viram como solução a longo prazo , doutrinar as crianças e adolescentes, me lembro bem que nos anos 80 quando era estudante , tínhamos como opção sair da escola para acompanhar manifestações promovidas por professores (esquerdistas) ou ficar preso na escola e perder em notas nas matérias dos professores, sem saber porque esta participando da manifestação mais apenas pra sair da escola e não ser prejudicado em minhas notas eu ia as manifestações pelas "diretas já " , esta mesma tatica é usada por grupos como MST, MSTS que dizem lutar por reforma agraria ou por casa própria, vejo muito isto manifestastes que nem sabem porque estão lá , mais pra não perder a chante de ganhar seu pedaço de terra ou sua casa própria , vão as manifestações e servem como massa de manobra a estes grupos, diante a idiotização do povo e de que aqueles que tem consciência do que esta acontecendo no pais e já , afirmo , já se manifestaram em favor de uma intervenção militar no Brasil , pois só assim se poderá limpar todas as instituições que apesar do general Villas Boas afirmar que estão funcionando , não estão , a não ser que ele queira dizer que funciona pra defender os bandido (políticos), peço PELO AMOR DE DEUS, que não esperem ficarmos como a Venezuela que só agora destruída e finalmente recebeu o golpe final e se tornou o primeiro pais comunista da América latina , agora o povo caiu a ficha por causa da pobreza estrema , mais agora é tarde para aquele pais, espero que nossas FFAA em que o povo ainda confia não deixe chegar a este patamar pra tomar uma atitude, pois esqueçam , o povo idiotizado não ira as ruas pedirem intervenção !
Visitantes
Sábado, 19 Outubro 2019